Elizabeth Gilbert - Comer, Rezar e Amar


A história de vida de Elizabeth é impressionante, realmente tem que ter coragem para jogar tudo para o alto quando se percebe que não está feliz com sua vida atual, por mais perfeita que pareça aos olhos dos outros, acredito que pouquíssimas pessoas têm essa coragem e esse desapego, também achei um tanto egoísta e imatura em alguns pontos, mas ela sabe da vida dela melhor do que eu...
O livro conta à viagem, de um ano, realizada por essa escritora que precisou ir para muito longe, para enfim se encontrar.
A viagem, assim como o livro, foi dividida em três partes, Itália, Índia e Indonésia.
Gostei muito da primeira parte onde Liz começa a contar como os acontecimentos de sua vida a levaram a essa viagem e a sua estádia na Itália, fiquei morrendo de vontade de comer macarrão, pizzas e aprender italiano... E o melhor momento foi o jogo de futebol...
A segunda parte se passa na Índia, em um ashram, uma espécie de retiro espiritual, para mim foi muito maçante, interessante em alguns pontos, mas maçante... É que não faz muito meu estilo e sou bastante cética em alguns pontos, daí não curti essa parte...
A terceira parte se passa na Indonésia, tem algumas passagens engraçadas e inusitadas, é onde começa o romance da nossa escritora com um brasileiro, coisa que eu gostei, e onde faz amizade com Wayan Nuriyasih, uma xamã balinesa (uma espécie de curandeira).
É um livro divertido, mas que não prende a atenção, só vale a pena ler se for numa tarde de domingo sem nenhum compromisso...


Sinopse:

“Buscando tempo e espaço para descobrir quem era e o que realmente queria, Liz Gilbert se livrou de tudo, demitiu-se do emprego e partiu para uma viagem de um ano pelo mundo - sozinha. Comer, Rezar, Amar é a envolvente crônica desse ano.
Seu objetivo era visitar três lugares onde pudesse examinar um aspecto de sua própria natureza. Em Roma, estudou a arte do prazer aprendeu italiano e engordou os 11 quilos mais felizes de sua vida.
Na Índia se dedicou à arte da devoção e, com a ajuda de uma guru local e de um caubói texano surpreendente sábio, ela embarcou em quatro meses de contínua exploração espiritual.Em Bali, estudou a arte do equilíbrio entre o prazer mundano e a transcendência divina. Tornou-se discípula de um velho xamã, e também se apaixonou - por um brasileiro! - da melhor maneira possível: inesperadamente.”

1 comentários:

  1. Esse foi um dos livros que mais me marcou em 2008. Ele é muito bom e para quem está em busca de transformar sua vida ele é um estímulo e tanto.

    ResponderExcluir