Razão e Sensibilidade - Jane Austen


"Em virtude da morte do marido, uma viúva e as três filhas passam a enfrentar dificuldades financeiras, pois praticamente toda a herança foi para um filho do primeiro casamento, que ignora a promessa feita no leito de morte de seu pai que ampararia as meias-irmãs. Neste contexto, enquanto uma irmã é prática (Elionor), usando a razão como principal forma de conduzir as situações, a outra (Marianne) se mostra emotiva, sem se reprimir nunca com uma sensibilidade à flor da pele."

Que me perdoem os fãs de Jane Austen, mas não gostei desse livro, ainda não me foi possível formar nenhuma opinião sobre a autora pois esse é o segundo livro que leio.

Em "Orgulho e Preconceito", gostei bastante dos personagens, já nesse eles me pareceram bastante insípidos, há muito sofrimento desnecessário, a história demora muito a desenrolar tornando-a em muitos pontos tediosa, realmente em algumas partes acabei me dispersando e perdendo o fio da meada.
Mas depois de tecida toda a trama, achei as atitudes dos personagens muitos extremistas, enquanto uns não tinham a menor noção de honra, respeito ou da palavra empenhada, outros estavam dispostos a deixar de lado quaisquer sentimentos em busca desses ideais, sujeitos a se tornarem resignados e infelizes, mas satisfeitos por manterem suas promessas.
O filme também não me agradou, e apesar das poucas descrições dos personagens no livro, não gostei da escolha de Emma Thompson no papel de Elinor e nem Hugh Grant no de Edward.
Bem, mas todas essas são opiniões bastante pessoais, opiniões de uma "mulherzinha" que adora romances melosos e amores de suspirar...
Sei que há muitas pessoas que pensam exatamente o contrário sobre esse livro, considerando-o como o melhor da autora... Mas como gosto não se discute, leiam... Se já leram, me digam o que acharam...

8 comentários:

Deixe seu comentário