A Sombra do Vento - Carlos Ruiz Zafón

A Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafón, conta a história de Daniel e seu exemplar de A Sombra do Vento de Julián de Carax, confuso?? Nem tanto...

O pai de Daniel Sempere leva-o a conhecer o cemitério dos livros, um local onde se guardam as últimas cópias de obras que se pensava estarem há muito desaparecidos.
A Daniel é oferecida a oportunidade de escolher um exemplar e ele pega A Sombra do Vento, um romance de Julián Carax. Os romances de Julian Carax são muito raros e todas as cópias desapareceram dos sebos, colecionadores e livrarias, perseguidos por um arrepiante personagem que os queima.
É com este livro que Daniel conquista a amizade de Don Barceló, ao se negar a vender-lhe o livro por avultado valor, mas comparece todas as tardes para ler a história à sua sobrinha cega, Clara Barceló. Daniel desenvolve um amor impossível por Clara, e numa noite de desgosto amoroso conhece o estranho personagem que pretende queimar os livros, assim como um mendigo que o ajuda, Fermín. Este tornar-se ajudante da livraria do pai de Daniel, um ex-espião e conquistador de mulheres, um personagem fantástico, que descrevê-lo como malandro ainda é pouco.
Novas camadas da história são reveladas com a pesquisa que Daniel e Fermín empreendem em busca da história por detrás do livro e do autor, Julián Carax. Este teria sido um jovem escritor com uma vida trágica, suportado por grandes amigos de infância, mas destruído por um amor impossível que foi alvo de inimigos implacáveis. A Sombra do Vento não fala só de desgostos amorosos e mistérios por desvendar, mas também de livros - do seu poder em captar os leitores e em alterar as suas vidas ao lhes despertar a sede por mais histórias semelhantes.

Se for para ler apenas um livro nos próximos anos, acho que esse deveria ser A Sombra do Vento. O livro é lindo e toca o coração.
A descrição que Daniel cita no livro serve perfeitamente para descrever seu homônimo de tinta e papel:
"á medida que avançava, a estrutura do relato fez-me lembrar daquelas bonecas russas que contêm em si mesmas inúmeras miniaturas. Passo a passo, a narrativa se estilhaçava em mil histórias, como se o relato penetrasse numa galeria de espelhos, e sua identidade produzisse dezenas de reflexos díspares e ao mesmo tempo um só."

A narrativa do livro, principalmente no início, não é das mais simples e o livro deve ser saboreado em pequenas doses para que possa ser plenamente apreciado... Um livro que fala de livros, amores, amigos, tragédias e vidas...

"Daí a pouco, assaltou-me a ideia de que atrás da capa de um daqueles livros se abria um universo infinito por explorar e de que, para além daqueles muros, o mundo deixava passar a vida em tardes de futebol e folhetins radiofónicos, contentando-se em ver até onde alcança o seu umbigo e pouco mais." trecho do livro

Se quiserem ler um trecho do livro, cliquem aqui...

6 comentários:

Deixe seu comentário