Dizem por aí - Jill Mansell

O namorado de Tilly Cole acaba de se mudar do flat deles com metade de suas coisas. Sem nada para prendê-la, Tilly decide rapidamente morar mais perto de sua melhor amiga, Erin, em um vilarejo minúsculo em Cotswolds. Lá, Tilly é contratada no mesmo momento como faz-tudo em uma empresa de design de interiores. Para sua surpresa, a cidade pequena transborda escândalo, sexo, fofoqueiros e boatos, focados basicamente em Jack Lucas, o homem lindo de muita classe e melhor amigo de seu chefe. Todos falam para Tilly ignorar o encanto por Jack, que ela será apenas outra em sua cama se ela se deixar levar; mas Tilly, que trabalha ao lado de Jack, enxerga uma parte carinhosa e cuidadosa dele que não é revelada à cidade. É impossível que ele seja a mesma pessoa de quem todos falam. Ou é possível? Tilly deve separar os fatos da ficção e seguir seu instinto neste divertido romance moderno.
Muita coisa tem acontecido em minha vida nesse ano e final de semana passado estava precisando de algo leve e agradável... aí escolhi esse livro pois a sinopse me pareceu ideal... e acertei...

O livro é delicioso, narra a história de uma londrina, Tilly, que após ser abandonada pelo namorado decide mudar de rumo e se mudar para a cidade pequena onde sua melhor amiga mora...

Como toda boa cidade de interior, todo mundo sabe e comenta a vida de todo mundo... Tilly rapidamente arruma um emprego na casa de Max que é um dos melhores personagens do livro... ele se separou a poucos anos da esposa pois assumiu que é gay, a esposa foi para os EUA e hoje é uma famosa atriz em uma novela... eles tem uma filha de 13 anos que mora com o pai e Tilly entra de cabeça no meio dessa família moderna e exótica...

Se não bastasse morar na casa do gay mais assediado por mulheres da cidade, Tilly ainda vira alvo das cantadas de Jack Lucas, o maior "pegador" da cidade... e infelizmente ela vai descobrir que não é imune aos seus encantos...

Jack Lucas já saiu com quase todas as mulheres disponíveis da cidade e começa a se interessar pela Tilly, o que sente por ela é algo que achou que nunca mais sentiria... e é aí que começamos a perceber que ele pode não ser tão mulherengo quanto gosta de demonstrar...

O livro é leve, sem grandes surpresas... um típico chick-lit, mas o diferencial aqui é a personagem principal que não é neurótica e nem se mete em situações bizarras como acontece na maioria dos livros desse gênero, eu já havia lido algumas resenhas positivas sobre outro livro dessa autora e estava bem curiosa para ler esse... e gostei muito...

É um daqueles livros que a gente começa a ler e não para mais, leve, sem grandes pretensões e que proporciona ótimas horas de leitura... eu costumo falar que esse tipo de livro é perfeito para se ler em domingos e feriados chuvosos...

29 comentários:

Deixe seu comentário