Echo Park - Michael Connelly

Echo Park é o décimo segundo romance em que Michael Connelly apresenta Harry Bosch, um detetive experiente, obcecado pelos crimes que investiga. Desta vez, Harry é assombrado por um fantasma. Um fantasma que o perturba há treze anos.
Em 1993, ele investiga o desaparecimento da jovem Marie Gesto, que, após ser vista indo ao supermercado, nunca mais foi encontrada. Como vestígio, apenas seu carro com algumas de suas roupas e compras dentro. Por mais que tenha lutado para descobrir seu paradeiro, Harry não conseguiu concluir a investigação, que passou a figurar na lista da delegacia de Casos Abertos / Não Resolvidos. Agora o detetive veterano vislumbra a chance de poder, finalmente, desvendar o mistério que o martirizou por tanto tempo.
Raynard Waits é um homem acusado de matar e esquartejar duas pessoas, mas existem suspeitas de que ele também tenha cometido outros nove assassinatos. Entre eles, o de Marie Gesto. Mas ele pretende propor um acordo à Justiça para escapar da pena de morte. Em troca da atenuação de sua pena, o réu mostraria onde estão os corpos das nove pessoas desaparecidas e assassinadas por ele.
A partir daí, Harry Bosch terá que enfrentar inúmeros desafios, um após o outro. Precisará estar próximo do homem que talvez seja o culpado por tantos anos de agonia e dúvidas, provavelmente o inimigo mais sádico e perigoso que tenha encontrado em toda sua vida. E ainda terá que conviver com a culpa por ter ignorado uma pista que poderia ter concluído o caso ainda em 1993, evitando a série de assassinatos que se seguiu.
Resenha da Danielle

Olá pessoal,

Michael Connelly conseguiu prender minha atenção por horas a fio, apesar de (não vou negar) ter achado mais do mesmo, mas se é assim por que indico sem pestanejar esta obra? Pois a culpa não foi do autor, eu que num curto espaço de tempo li basicamente livros policiais, mas se você lê moderadamente, Echo Park, vai agradar e prender sua atenção até a resolução do caso.

Harry Bosch é obstinado, durão e não tem papas na língua. O detetive de aproximadamente cinqüenta anos é uma ótima companhia. Tem como parceira Kiz Rider e os dois se entendem bem desde que ele solicitou parceria ao retornar da aposentadoria um ano antes.

Como diz ali na sinopse o detetive da Abertos/Não resolvidos de Hollywood não consegue esquecer o caso Marie Gesto, desaparecida há 13 anos sem deixar pistas. Ele está tão focado que sempre retira o arquivo para checar novamente, ele tem um suspeito, mas o álibi sempre bate. Então surge uma novidade: Raynard Waits decide confessar que ele matou a senhorita Gesto, seria a verdade ou apenas uma maneira de fugir da morte?

A verdade é que Harry agora mais do que nunca corre atrás de pistas para solucionar o caso, para isso conta com a ajuda de uma agente do FBI que conquistou minha atenção também, pois se o Harry é durão, ela não fica atrás.

E neste ponto eu bato palmas para o detetive Bosch, mesmo pondo em risco sua carreira ele não baixa a cabeça e seus métodos de investigação são interessantes, em certo momento ele me fez pensar em Adrian Monk**. 

Outro ponto positivo: a caçada foi cheia de ação, vários momentos de prender o ar.

Não sei vocês, mas o fato de não ter a idade correta do personagem me deixou aborrecida, nada que atrapalhe e até facilita o leitor a criar sua própria imagem.

Não posso contar o motivo de ter achado mesmice, mas garanto que vale a leitura, tanto é, que pretendo conferir outras aventuras do Harry. 

O livro conta com uma ótima investigação, onde sempre surge uma novidade. Momentos fofos e momentos em que você vai acabar rindo apesar de ser trágico.

Em tempo, fui pesquisar imagens do local e achei esta: 

Fica nas proximidades com o Estádio do Los Angeles Dodgers, time de beisebol. O local é citado na trama.

** Adrian Monk é o personagem principal da série da “USA Network”, no Brasil passa na Record e no canal pago Studio Universal. Agora que digitei isso tive a ideia de apresentar a série para vocês. Aguardem o post. ;)

Corram lá para ler e voltem para me contar o que acharam, enquanto isso comente sobre a resenha, eu posso demorar, mas sempre responderei seus comentários.


Avaliação (0 a 5):
Photobucket

2 comentários:

  1. Esse livro nunca tinha me chamado a atenção, mas o fato de um detetive lembrar o Adrian me interessou...

    Ah, eu adoro esse seriado... morria de rir com as suas trapalhadas e seus nojinhos...
    Faz sim um post sobre a série!!

    beijos,

    ResponderExcluir
  2. Oi Dé,
    A capa não é das mais interessantes, né? Eu li por indicação de um amigo, foi uma grata surpresa.

    Mas devo avisar que a semelhança entre Harry e Monk é no quesito de observação. Dos livros policiais que tenho lido esse ponto foi bem explorado aqui. Eu até tinha colocado na resenha que o Harry não sofre com o TOC, nem afins do Adrian, mas fui checar e realmente sumiu.

    Resumindo: meu mouse tá selecionando o texto só e aleatoriamente, como não vejo e começo a digitar ele deleta meu texto. =(

    Vou sim digitar um texto sobre o Monk, eu adorava a série. =)

    Obrigada por comentar!!! =)

    ResponderExcluir