As Violetas de Março - Sarah Jio

As Violetas de Março
Emily Taylor é uma mulher jovem e escritora de sucesso, mas não gosta muito de seu próprio livro. Também tem um casamento que parece ideal, no entanto ele acabará em divórcio.Sentindo que sua vida perdeu o propósito, Emily decide fazer as malas e passar um tempo em Bainbridge — a ilha onde morou quando menina — para tentar se reorganizar.Enquanto busca esquecer o ex-marido e, ao mesmo tempo, arrumar material para um novo — e mais verdadeiro — livro, um antigo colega de escola e o namorado proibido da adolescência tornam-se seus companheiros frequentes. Entretanto, o melhor parceiro de Emily será um diário da década de 1940, encontrado no fundo de uma gaveta.Com o diário em mãos, Emily sentirá o estranhamento e a comoção causados pela leitura de uma biografia misteriosa que envolve antigos habitantes da ilha e que tem muito a ver com sua própria história.Assim como as violetas que desabrocham fora de estação para mostrar que tudo é possível, a vida de Emily Taylor poderá tomar um rumo improvável e cheio de possibilidades. (Sinopse do Skoob)
As Violetas de Março, de Sarah Jio (Editora Novo Conceito, 304 páginas) é um tipo de livro que consegue trazer não só a imagem das paisagens, mas a própria textura da areia, da praia, do próprio vento...

Após uma decepção no seu casamento, Emily recorda da ilha de Bainbridge, em que passou tempos felizes na infância e adolescência, e, atendendo ao convite que tia Bee sempre fizera, retorna para lá. Aí que ela descobre em seu quarto um diário de uma moça dos anos 40, contando uma história cheia de reviravoltas. A princípio, ela pensa que o diário não tem nada a ver com ninguém, mas ao avançar das páginas vamos vendo que tem tudo a ver com a história e pode explicar alguns mistérios sobre infância que ela nunca havia parado para perguntar.

Primeira coisa a comentar: que sonho a ilha descrita pela autora! Bainbridge é uma ilha pequena, com casinhas lindas e a casa de Bee fica pertinho do mar, então Emily pode simplesmente dar um passeio pela praia assim que acorda... Dessa maneira, já cria um clima ideal pra um livro como esse, né? Mas Emily ainda tem que lidar com a paixão por um novo amor e rever uma paixão de adolescência que também vive por lá.

Muitas histórias estão ali enterradas e quando finalmente são descobertas, você descobre o porquê de que algumas pessoas detestam que elas sejam comentadas... O livro é leve, não te deixa de mau humor, consegue animar mesmo após uma leitura muito ruim de outro livro... 

Claro que algumas cenas clichês sempre aparecem em livros assim, mas acho que a história foi muito bem conduzida, os personagens foram bem construídos e coerentes com suas ações. E o final é inesperado, faz você querer perguntar mil coisas àqueles personagens dos anos 40. Mas mesmo gostando do final, acho que o livro merecia um epílogo (A Débora com certeza gosta de epílogos rs) ou pelo menos um capítulo a mais, mas nada que modifique a história.

A capa do livro é linda, um ótimo trabalho da Novo Conceito, as folhas internas são decoradas e não lembro de erros de revisão. Não conheço os outros trabalhos de Sarah Jio, mas achei a autora muito competente e mal posso esperar para ver outro livro dela lançado aqui. Recomendo Violetas de Março, especialmente se você estiver numa casa de praia (Ou até no friozinho também).

Ah, andei procurando a Bainbridge Island no Google e achei essas fotos aqui. Será que é mesmo essa? Se for, bonita, né?  A segunda é do site da própria Sarah Jio e mostra onde seriam as casas dos personagens.


 (Links: http://pics4.city-data.com/cpicc/cfiles18608.jpg e http://www.sarahjio.com/wp-content/uploads/2012/07/violets-beach.jpg)

Avaliação (de 0 a 5): 4,5



Photobucket





8 comentários:

Deixe seu comentário