Claro que Te Amo! - Tammy Luciano


Piera tem certeza: está cometendo a maior loucura da sua vida ao assistir, escondida, ao casamento de seu ex-noivo. Depois de seis anos de relacionamento, entrar de penetra na comemoração foi tudo que André deixou para ela. E olhar a cena não a faz feliz, mas encerra uma fase de sua vida. Hora de recomeçar. Mas como recomeçar se seu coração está cheio de dor? Envolver-se com a história de Piera é como descobrir que sempre há um lado muito bom a ser revelado… Mesmo que tudo pareça tão difícil. Fonte Skoob




Olá leitores,

Claro que te amo! Tem uma capa fofa, a arte interna é linda, nos cantos superiores temos borboletas e nos cantos inferiores corações. Cada início de capítulo tem flores e borboletas, estas têm um significado na trama.

Tammy escreve muito bem, tem momentos detalhistas sobre a vestimenta dos personagens, o que ajuda bastante na imaginação, mas acabei me aborrecendo um pouco com a repetição de olhos verde-azuis-verde-azuis.

Uma pena que a mocinha Piera (que nome é este? Fui até no Facebook pesquisar se existia alguém com este nome. Não há.)...
Desculpem o devaneio... Piera é uma mocinha irritante, ela foi criada por um pai maravilhoso que incutiu valores belíssimos e nobres na garota, mas ela adora o papel de vítima, isso quando não banca a sabe tudo.

Pense numa mocinha que me decepcionou? Piera. Depois de ser abandonada pelo André, após seis anos de namoro/noivado ela ainda se mete num relacionamento só para não ficar sozinha. “Ah não gosto dele, mas é melhor do que ficar só”. E quando enfim o destino/universo sorri para ela na forma de um mocinho quase perfeito a garota bota tudo a perder.

Mas temos o lado positivo, os personagens secundários: o pai dela é divertido, carinhoso, amoroso, que dá uns sacodes nela para que acorde. As amigas que são um barato quando estão juntas. Tem a maluquinha que fala tudo o que quer, a aventureira, aquela mais calminha. E claro o ser de olhos verde-azuis que tem muita personalidade e não merecia lidar com a bipolaridade de Piera.

O meu único senão para o rapaz é o jeito carinhoso de chamar a garota: “Moça Piera”. Para mim não colou, especialmente por não gostar do nome dela, a combinação ficou péssima.

Quanto à trama ela tem elementos fortes que talvez emocionem você, mais uma vez aqui eu fui a do contra. Temos uma aparição inesperada que abala o mundo da Piera. Vi resenhas que citam quem surge, mas considero spoiler, então leiam para saber que evento ocorre.

Gostei muito da mocinha se envolver num projeto social, passando tempo com crianças carentes. Os cenários são bem descritos. Teve umas duas cenas que achei desnecessárias que vi apenas como “mocinha está feliz e tem que surgir um fantasma para abalar a confiança”, soou meio forçado.

O final foi bonito, fofinho, um tanto corrido, mas teve sua beleza e não vou entrar em detalhes.

Então, fãs da Tammy, por favor, não me odeiem. Embora este seja um livro que não irei reler, preciso ser sincera com vocês, recomendo que leiam e tirem suas próprias conclusões, pois cada pessoa interpreta o livro de uma maneira e para você pode ser adorável.

Sobre a revisão encontrei apenas dois erros bobos, e apenas um ficou grudado na mente “por contra própria” (quando deveria ser: por conta própria).

E gente, por favor, lembrem-se de um ditado que é maravilhoso: Antes só do que mal acompanhado. Só embarquem num relacionamento se a pessoa te faz bem de verdade. Esta é uma lição que a Piera aprendeu depois de errar algumas vezes. Hahaha

Classificação (0 a 5): 1

Photobucket

Participe

10 comentários:

Deixe seu comentário