A Outra Vida - Susanne Winnacker

Imagine se sua vida precisasse mudar completamente porque uma epidemia se espalhou na sua cidade? 
A Outra Vida, de Susanne Winnacker (Novo Conceito, 272 p.) é o primeiro livro da coleção Weepers e tem um desenrolar eletrizante, tratando esse tema.

Sherry tem dezesseis anos e vive com os pais, os irmãos e a avó em um abrigo, refugiados do mundo e do terrível vírus que assolou Los Angeles, há muito tempo (Tempo suficiente para Sherry contabilizar todos os minutos e dias de tudo o que já viveu, desde provar uma comida saborosa a ter sentido a luz do sol na pele). O abrigo até que não é tão mal, já que possui ar-condicionado e televisão (Movida à energia produzida por uma espécie de bicicleta ergométrica)
Só que a situação já está insustentável com tempo tanto que vivem ali e pra piorar, a comida acaba.
É aí que o pai de Sherry resolve sair pra buscar alimento. Como é a mais velha, a garota resolve ir com ele, mas os dois não estão preparados para o que está lá fora: os Chorões.
Os Chorões são como zumbis, só que com característica diferentes entre eles e com aparência de quem está chorando (Por isso o nome). Como zumbis, eles já foram humanos e matam as pessoas.
Com o pai sendo capturado, Sherry encontra o sobrevivente Joshua. Com mais informações do que ela, ele promete ajudá-la a achar o pai (sinopse minha)

Pra começar, a história é bem melhor do que a capa, ok? Apesar da capa ao vivo ser mais interessante, ainda não mostra que traz uma história boa (Depois eu volto a falar da capa). Mas é. Bem, pelo menos, na medida do possível. Claro que não vai haver muita coisa a ser desenvolvida em poucas páginas, mas elas trazem bastante ação, um pouco de romance e gancho para o próximo.

Apesar de mostrar os personagens de forma superficial, é muito fácil torcermos por Sherry e gostar de Joshua, mas tudo foi tratado de forma muito depressa, quase como se estivéssemos vendo o primeiro capítulo de uma série. E em livro o melhor é desenvolver os personagens, trabalhar como as informações serão distribuídas de forma crível (A revelação de como o vírus surgiu foi tão boba e jogada que fico esperando que haja mais conspiração do que essa explicação). Mas a autora soube dosar muito bem a ação, o que faz com que o livro seja lido muito depressa (No meu caso, em menos de um dia).

O final tem um gancho bem interessante e me deixou curiosa para o próximo da coleção. Além disso, Susanne Winnacker é boa em criar sequências de ação, o que me faz pensar que uma continuação (Se bem trabalhada) poderia ser bem legal. A dupla Joshua e Sherry também é muito boa.

A realidade dos sobreviventes é algo que faz o leitor mergulhar naquele mundo. Você se sente um pouco fazendo parte daquele grupo e torcendo para que as coisas continuem tranquilas ou que eles tenham pelo menos um pouco de descanso. Mas a história é bem dinâmica nesse sentido, o que faz com que tenha muita ação.

Uma coisa que me incomodou (muito): o nome Chorões. No inglês, o nome é Weepers, que realmente quer dizer isso, só que no Português ficou muito estranha essa palavra. Não dá nem medo, nem parece nome de criatura. Pelo menos pra mim não. Então acho que eles deviam ter adaptado para lacrimosos ou chorosos, que literalmente são weeping, mas pelo menos é uma tradução aproximada e dá conta dos verdadeiros terrores que eles são, na minha opinião.

Então, a capa. Gente, pelo amor de Deus, a Novo Conceito é capaz de fazer capas belíssimas e me vem com essa daí? Ao vivo, a capa tem texturas diferentes, o que a torna mais legal, mas quem estiver vendo na Internet pode achar que o livro é mais juvenil ou ruim mesmo. Mesmo que tenha os detalhes dos dias que Sherry conta ou o reflexo dos Weepers na água. A capa original é mais legal, embora não seja perfeita:



No Reino Unido, a capa é assim, também não achei que representasse tanto assim a história:



Susanne Winnacker conseguiu criar uma narrativa interessante, bem sombria, mas não tão assustadora, o que pode fazer com que muitas pessoas leiam essa história. Eu acho que é um livro dinâmico e pode agradar quem curte de um passatempo bom e com suspense. Pra quem é fã de algo mais apavorante talvez não ache tão legal assim. Autora iniciante, acho que ela pode amadurecer.

Avaliação (de 0 a 5): 3,0

Photobucket


Participe

6 comentários:

  1. Olá Mikaela, tudo bem??
    Gostei muito da ideia do livro, parece ser uma história diferente e é isto que sempre chama minha atenção,e amo qualquer coisas relacionada a zumbis e esta historia com certeza esta na minha lista de desejados!!
    Beijos!!

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Começando sobre as capas, também achei a brasileira feia demais. Não curti, e se a visse por aí não compraria. As outras também são feiosa, não gosto de capas com rosto. kk A do Reino Unido é bonitinha, mas pelo que você falou não tem muito haver com a história. Bom, sobre a história eu até achei legalzinha. Mas não lerei! Não é pra mim, não fui muito com a cara! (será preconceito com a capa? kkk)...

    ResponderExcluir
  3. Humm, essa zumbizada não é a minha praia, rsrs.

    Bjo!

    http://meuhobbyliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Michelli, tudo bem e você?
    Também acho legal aquele suspense que as histórias de zumbi têm e nunca tinha lido um livro com essa temática.

    Kamilla Evely,
    Eu ainda não vi muito da história na capa do Reino Unido, talvez por não ter prestado atenção a um detalhe, mas até então, nada. Se for preconceito, você podia ler, mas se não for seu estilo, não vale muito a pena ler...

    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. eu concordo com você, pela capa nunca leria este livro. Mas zumbis ? tenho medo deles ... hehehehe

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela ótima resenha, ganhei este livro de Aniversario, e não o conhecia antes de le-lo. mas gostei muito desde o inicio, leitura fácil e fluente.

    Gostei também da forma que ela escreve, colocando os flashes no final de cada capitulo, não tinha visto nenhum livro com esse recurso ainda.

    ResponderExcluir