Até eu te Encontrar - Graciela Mayrink


O quanto uma mudança de cidade pode afetar uma vida? Você acredita em alma gêmea? Como você se sentiria se não gostasse do grande amor da sua vida? É o que Flávia vai descobrir ao deixar Lavras, onde mora com os tios desde o acidente que matou seus pais, quando era criança. Aos dezoito anos, ela decide estudar Agronomia na Universidade Federal de Viçosa, trocando o sul de Minas pela Zona da Mata do mesmo Estado na esperança de uma "mudança de ares". Em sua nova vida, ela conhece Sônia, amiga de infância de sua mãe e agora sua vizinha, que lhe conta a história de sua família materna, até então desconhecida para Flávia. Embora o passado não seja sua maior preocupação, Flávia reluta em aceitar seu destino e ainda precisa superar uma paixão não correspondida pelo seu melhor amigo. Para se ver livre dessa rejeição, ela tenta atrair sua alma gêmea para Viçosa e descobre que o grande amor de sua vida é uma pessoa que ela não suporta (sinopse do Skoob).

Para começar, só que acho que deveria ser acrescentada na sinopse toda a história de bruxas, já que a Novo Conceito vem fazendo sua divulgação em cima disso... Após ter perdido os pais muito cedo e passar a vida com os tios, Flávia vai se mudar para Viçosa, cursar Agronomia, e lá faz novos amigos, conhece os locais para sair, começa também a se apaixonar... Só que ela descobre um pouco do seu passado e que sua mãe, na realidade, era uma bruxa poderosa, uma Wicca. Além disso, sua alma gêmea está comprometida com uma menina muito antipática, Carla, que herdou da mãe (Conhecida de Lizzy, mãe de Flávia) uma maneira pouco recomendável de usar a magia, prendendo o rapaz a ela. 

Até eu te Encontrar, da brasileira Graciela Mayrink (Editora Novo Conceito, 384 p.) lembra um pouco aquelas novelas com temática universitária e até um pouco de Malhação (Na fase legal, é claro). No começo, Flávia conhece Felipe, Gustavo e logo faz amizade com a república deles, além de descobrir que é vizinha de uma amiga da mãe, Sônia, e se torna amiga de Lauren através dela. A primeira parte do livro fala desses encontros da vida jovem, as festas, as amizades....O que poderia ser mais bacana se a temática do livro não fosse alma gêmeas, bruxarias e coisa e tal.

Não há muitos indícios de magia na vida de Flávia até que Sônia conta a ela. Até lá, acho que a história se arrasta um pouco, com diálogos e mais diálogos e descrição de dias que poderiam ser falados em um parágrafo. Muita coisa do começo poderia ser retirada pra adiantar mais a leitura para a parte principal da história. A amizade de Felipe e Flávia é bem trabalhada, mas acho que não precisava de tantos diálogos para quem ler entender. Acho que o Luigi - a alma gêmea da Flávia - demora muito a aparecer. Se ninguém tiver lido a sinopse do livro, pode-se até pensar que a alma gêmea é Felipe. Mas depois que ele aparece, o livro ganha novas emoções, com ciúmes, magias, brigas e tudo o que um grupo de amigos universitários conhece.

Com essas exceções, o livro é bem empolgante e passa muito a realidade da faculdade, de jovens vivendo só pela primeira vez, as festas, as amizades, de modo que quem está lendo já se sente próximo da turma também. Enquanto muitas histórias prezam somente a ação, Até eu te Encontrar desenvolve várias amizades e relações, até que você queira saber o que aconteceu com todos depois que a história acaba.


Com relação à Wicca, confesso que não sei muito sobre o tema, além do que li em revistas e foi legal ver algumas simpatias e explicações sobre os rituais. Queria ter sabido mais sobre a mãe de Flávia e o passado delas, mais magia e mais explicações, já que foram um aquisição única de um livro, no meio de histórias mirabolantes. Esperta, Graciela Mayrink utilizou algo que já existe e aproveitou para explicar um pouquinho sobre isso.

Flávia é uma personagem incrivelmente madura e independente para sua idade, além de ser uma pessoa muito fofa (Ela é tão legal que não vê problema em Felipe dormir na sua casa - só dormir, viu gente? - mesmo tendo conhecido o rapaz  há somente dias) e, apesar de muito paquerada, não fica se achando e é bastante na dela. Felipe é um personagem cativante e incrivelmente real, de modo que dá pra identificar vários amigos com qualidades similares. A relação deles é como muitas que vemos em amizades por aí... Já Luigi é um cara muito fofo, de coração bom, mas um tanto confuso com tantas magias lançadas em cima dele. Já estava torcendo para o rapaz acordar de tudo no final.

A capa lembra um pouco Sabrina, a Feiticeira Adolescente, é fofinha e é bem melhor do que anterior, publicada por outra editora.Sem falar que os modelos de capa da versão da Novo Conceito lembram muito Flávia e Luigi!

Até Eu Te Encontrar

A diagramação foi muito cuidadosa, com ícones nos capítulos, tudo feito com bom gosto, de modo a ser bem para o público mais jovem mesmo. Acho que Graciela Mayrink sabe muito escrever sobre sentimentos e pessoas, especialmente no clima de universidade. Ela passou muito bem essa sensação, o que mostra que escreve com o coração. Eu leria outros livros dela, sim, e acho ótimo que a Novo Conceito invista em autores nacionais bons, com temáticas jovens.

Avaliação (de 0 a 5): 3,5




Photobucket



2 comentários:

  1. Poxa, é a primeira vez que leio a resenha desse livro, apesar de saber de seu lançamento a alguns meses atrás e me surpreendo. 'Até Eu Te Encontrar' tem um enredo bem diferente dos romances que costumo ler. Sinto que vou gostar muito de Flávia e sua grande responsabilidade ao se mudar. Entrou pra minha lista de leituras!

    P.S.: não é por nada, mas achei a capa antiga do livro bem melhor que a atual :P

    ResponderExcluir
  2. Não me empolguei muito apesar de ter achado o enredo interessante!!!

    http://conversandodragoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir