Os Adoráveis - Sarra Manning

Jeane é blogueira. Seu blog, o Adorkable, é um blog de estilo de vida — na verdade, o estilo de vida dela — e já ganhou até prêmios na categoria “Melhor Blog sobre Estilo de Vida” pelo e Guardian e um Bloggie Award. Adora balas Haribo, moda (a que ela cria, comprando em brechós) e colorir (ou descolorir totalmente) os cabelos. Cheia de personalidade e meio volúvel, ainda assim Jeane é bacana — mesmo nos momentos em que se transforma numa insuportável. Mas, certamente, ela não olharia duas vezes para Michael. Porque Michael é o oposto de Jeane. Ele é o tipo de cara que namoraria a garota mais bonita da escola. E compra suas roupas na Hollister, na Jack Wills e na Abercrombie. Além disso, diferente de Jeane, que é autossuficiente, Michael é completamente dependente do pai, o Clínico Geral que condena açúcar, e ainda permite que sua mãe compre suas roupas! (Embora, para Jeane, o pior mesmo sobre Michael é que ele baixa música da internet e nunca paga por isso). Jeane e Michael têm pouco em comum, além de algumas aulas e uma maçante dupla de “ex” — Scarlett e Barney. Mas, apesar disso, eles não conseguem se desgrudar desde que ¬ ficaram pela primeira vez.

Sabe aquelas protagonistas nerds dos filmes, aquelas que se vestem estranho e são apaixonadas pelo cara mais popular da escola? Aquelas que no final passam por uma transformação, ficam lindas, usam roupas da moda e ficam com o cara? Bem, esqueça. Jeane Smith veio provar que você pode ter sucesso sendo quem é.

Os Adoráveis, de Sarra Manning ( 384 páginas, Novo Conceito), não parece ser um livro tão legal à primeira vista e nem é tão fofo quanto os de John Green e não chega a arrancar suspiros. Mas a história vale muito pela personagem Jeane e a relação dela com Michael, mostrada de forma tão honesta que você exatamente onde cada um erra e acerta, sem tomar partido.

Jeanne não é considerada bonita, usa roupas esquisitas, usa o cabelo em várias cores diferentes, não tem problema com a sexualidade e, contrariando toda o estereótipo de nerd do colégio, não se deixa intimidar por ninguém e faz um sucesso absoluto no mundo cibernético e fora do colégio, dando palestras em conferências e viajando pelo mundo. Só que ela é um pouco arrogante com quem não é como ela, o que inclui Michael. O desprezo dela por quase todos só muda quando seu namorado Barney se apaixona pela namorada de Michael, Scarlett, o que a faz ter que conversar com o cara mais popular do colégio.

Michael é o popular, mas é bacana, contrariando os estereótipos de livros e filmes sobre assunto. Bom rapaz, ele sempre obedece os pais em tudo e sempre namorou as bonitas do colégio. Ele é o elo com o mundo exterior que Jeane tem e quem sempre a acorda de sua arrogância. Ah, falando nisso, a sinopse erra ao afirmar que é Michael quem baixa música sem pagar, quando é Barney quem faz isso. Se Michael também fez, não recordo. 

A relação dos dois é puramente física e demora-se para que admitam o que sente. Isso eu achei bacana, em nenhum momento Jeanne fica logo caidinha por ele ou insegura, Michael se atrai por ela mesmo sendo esquisita, meio gordinha e nada popular. Isso dá uma super lição naquelas histórias que fazem a mocinha passar por um banho de loja para o mocinho gostar dela. Além disso, Jeane é até mais experiente, não tendo nenhum problema em ter vivenciado experiências diferentes com outras pessoas.

Acho que o livro foi muito inovador nesse sentido, só senti falta de um pouco mais de ternura na relação dos dois, mas acho que tudo foi muito bem escrito e condizente com os próprios personagens. Só queria também um pouco mais de resolução na questão dos pais de Jeane. 

A capa não é muito legal. Apesar de retratar razoavelmente os personagens, a capa é sem graça, pouco atraente e até desanima na hora de ler. Sério, gente, não ficou legal. A capa original é bastante parecida com a brasileira, só mudou os modelos, mas mesmo assim está menos feia.



Enfim, Sarra Manning se mostrou muito competente nessa história e entregou um livro melhor do que eu esperava pela capa. Eu recomendo a leitura, para que se veja uma história de amor diferente do clichê e que pode servir de lição de amor próprio pra muita gente, sem drama, com muito bom humor e atitude.

Avaliação (de 0 a 5): 4,0



Photobucket

5 comentários:

  1. Também gostei do livro e não da capa. Ela não tem nada dos personagens.
    bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  2. Acredita que eu comecei a ler esse livro e achei ele bem enjoadinho? Ai, não descia de jeito nenhum, daí deixei de lado. :(
    Talvez eu leia bem lá pra frente, mas não vai ser tão cedo.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  3. Oi Mikaela!
    Confesso que não senti vontade de ler o livro quando o vi pela primeira vez, por causa da capa... Mas lendo sua resenha, a história parece ser muito legal!

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  4. Sora Seishin,
    A capa é tão terrível. Mas a história é bem melhor.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Ao contrário de vc, adorei a capa! E gostei bastante da sua resenha, ainda não conhecia esse livro.
    Bjs

    ResponderExcluir