Diga aos lobos que estou em casa - Carol Rifka Brunt

Original: Tell the wolves I'm home
Autora: Carol Rifka Brunt
Editora: Novo Conceito
464 páginas

1987. Só existe uma pessoa no mundo inteiro que compreende June Elbus, de 14 anos. Essa pessoa é o seu tio, o renomado pintor Finn Weiss. Tímida na escola, vivendo uma relação distante com a irmã mais velha, June só se sente “ela mesma” na companhia de Finn; ele é seu padrinho, seu confidente e seu melhor amigo. Quando o tio morre precocemente de uma doença sobre a qual a mãe de June prefere não falar, o mundo da garota desaba. Porém, a morte de Finn traz uma surpresa para a vida de June – alguém que a ajudará a curar a sua dor e a reavaliar o que ela pensa saber sobre Finn, sobre sua família e sobre si mesma. No funeral, June observa um homem desconhecido que não tem coragem de se juntar aos familiares de Finn. Dias depois, ela recebe um pacote pelo correio. Dentro dele há um lindo bule que pertenceu a seu tio e um bilhete de Toby, o homem que apareceu no funeral, pedindo uma oportunidade para encontrá-la. À medida que os dois se aproximam, June descobre que não é a única que tem saudades de Finn. Se ela conseguir confiar realmente no inesperado novo amigo, ele poderá se tornar a pessoa mais importante do mundo para June. "Diga Aos Lobos Que Estou Em Casa" é uma história sensível que fala de amadurecimento, perda do amor e reencontro, um retrato inesquecível sobre a maneira como a compaixão pode nos reconstruir.

Diga aos lobos que estou em casa conquistou pela capa e me passou a sensação de ter elementos sobrenaturais, ledo engano, porém foi uma leitura muito agradável.  

Carol Rifka Brunt nos presenteia com uma trama contada por June de apenas quatorze anos, ela é sonhadora e tem de lidar com a perda de seu primeiro amor: Finn, seu singular tio que falece por conta de AIDS.

June é a caçula e adora a época medieval, passava longas horas com Finn em meio a exposições com este tema, seu passatempo favorito é ficar no bosque entre a casa e a escola fazendo de conta que está viajando no tempo. Ela adora as botas que ganhou de Finn e usa um antigo vestido que não lhe serve muito bem, mas passa a sensação de outra época.

June além de lidar com a perda do tio, tenta descobrir o que deu errado entre ela e sua irmã Greta, que de melhores amigas vivem agora sempre se alfinetando.

Finn e Danielle estavam com a relação abalada, mas com pouco tempo de vida ele quer aproveitar com a irmã e suas sobrinhas e por isso decide pintar as garotas num quadro que demora o máximo possível para prolongar contato.

June será pega de surpresa ao avistar um homem desconhecido no enterro, ela estranha que seus pais não falem bem dele e fica curiosa. Aos poucos ela descobre que se trata de Toby, o amigo especial de Finn. Não que desconhecesse a escolha sexual do tio, mas ela não sabia sobre seu parceiro.

Aos poucos June e Toby passam a se encontrar, sem que a família da garota desconfie. Foi muito arriscado, mas ela estava sendo fiel a Finn. 

Não gostei de June ter omitido sua amizade com Toby, porém sabendo que os pais e Greta o culpam pela morte de Finn, foi compreensível.

Os momentos que eles passam juntos são mágicos, eles se divertem e relembram momentos em companhia de Finn.

A capa condiz com elementos citados na trama e o título também, não vou dizer a que se refere, mas assim que ler você vai perceber. Infelizmente a revisão deixou muito a desejar. Ex: em vários momentos o pronome correto é ele, e usam ela (ou vice versa). Em determinada frase tem "consigo si mesma", como se o tradutor estivesse na dúvida do que usar e esqueceu de fazer a escolha acertada, no entanto estes erros podem ser deixados de lado para aproveitar o livro.

June vem nos mostrar que há vários tipos de amor, e mesmo os errados algumas vezes soam certos. Que apesar da maldade e preconceito o amor que dedicamos faz diferença. E que uma verdadeira amizade pode surgir apesar do rancor e ciúme que existe em volta.

Foi uma leitura tocante que espero ter um bom destaque e uma nova revisão para fazer juz.


Nota (0-5): 3.5







http://www.leituranossa.com.br/2014/04/post-premiado-de-abril.html

2 comentários:

  1. Olá Danielle!

    Parabéns, pela resenha ela me cativou e estou extremamente ansiosa para ler este livro. precisoooooooooo!
    Achei, como você que o livro era fantasia, mas parece-me , pela sua resenha, que é um drama e eu amo isso.....

    xoxo
    Mila F.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, o livro não é nada do que eu imaginava... fiquei com vontade de ler...
    Também pensei que tivesse algo sobrenatural só olhando pela capa, mas parece ser uma história muito bonita.

    beijos,

    ResponderExcluir