[Sessão Pipoca] A Culpa é das Estrelas - Resenha do Léo

Após assistir esse espetáculo, digo com toda a certeza que vale mesmo a pena. Ano passado tive umas frustações com por exemplo a adaptação de A menina que roubava livros e O lado bom da vida, então já fui ao cinema com um pé atrás. Mas talvez pelo fato de John Green ter acompanhado de perto as filmagens fez com que o filme se tornasse bastante fiel ao livro.

O filme também é bem divertido, você provavelmente irá chorar e rir ao mesmo tempo. Hazel Grace (interpretado pela talentosa Shailene Woodley) e Augustus Waters (interpretado por Ansel Elgort) formam um casal muito fofo e de dar nó na garganta. Hazel foi diagnosticada com câncer terminal mas milagrosamente, após três anos, ela ainda vive. E Gus com bastante tratamento conseguiu combater o câncer. Então eles são, literalmente, doentes de amor.

A escolha dos atores foi ótima. Apesar de preferir “outro Gus”, já que no livro ele tem cabelos negros – e alguns outros detalhes que eu não imaginei em Ansel –, mas fora detalhes físicos, a atuação dele juntamente com a de Shailene foi incrível! A atuação da mãe da Hazel foi exatamente como imaginei, Laura Dem que fez o papel da Sra. Lancaster está de parabéns. E não posso deixar de fora Nat Wolff que atuou como Isaac, foi como no livro, atuação bem fiel.


O mais legal foi que na adaptação conseguiram mostrar alguns pensamentos da Hazel, o que na minha opinião foi um fator crucial para ter conquistado a fidelidade com o livro. No livro Augustus, devido ao câncer, perdeu uma perna e no filme isso é mostrado com belos efeitos especiais. O que significa que eles realmente se preocuparam em mostrar algo com qualidade.

Mas houve pequenas mudanças –no filme que não chegam a incomodar –, um exemplo é Kaitlyn, se você espera encontrar ela no filme, desista. Eu sou muito suspeito em falar, porque eu li o livro antes de assistir ao filme e geralmente não percebemos quando falta alguma coisa a ser explicada, já que no nosso subconsciente sabemos as entrelinhas daquela cena.

Enquanto eu lia o livro me perguntava: “ Mas porque a culpa é das estrelas? ”. E o autor falou um pouco sobre isso:

Bem, na frase de Shakespeare, "estrelas" significam "destino". No texto original, o nobre romano Cássio diz a Bruto: "A culpa, meu caro Bruto, não é de nossas estrelas / Mas de nós mesmos, que consentimos em ser inferiores." Ou seja, não há nada de errado com o destino; o problema somos nós. 

Bem, isso é válido quando estamos falando de Bruto e de Cássio. Mas não quando estamos falando de outras pessoas. Muitas delas sofrem desnecessariamente, não porque fizeram algo de errado nem porque são más ou sei lá o quê, mas porque dão azar. Na verdade, as estrelas têm muita culpa, sim, e eu quis escrever um livro sobre como vivemos num mundo que não é justo, e sobre ser ou não possível viver uma vida plena e significativa mesmo que não se chegue a vivê-la num grande palco, como Cássio e Bruto.
- John Green




Em relação ao final do filme só tenho uma coisa a dizer: era tudo o que eu esperava. Levando em conta ser uma adaptação. Não podemos esperar que o filme tenha todas as linhas do livro. Então digo com toda certeza que foi uma boa obra. É realmente apaixonante.
Assista ao trailer e depois vá correndo para o cinema:




Classificação (0 a 5): 5


Photobucket


5 comentários:

Deixe seu comentário