No Escuro - Elizabeth Haynes


Nome do livro: No Escuro
Nome Original: Into the Darkest Corner
Lançamento: 2013
Editora: Intrínseca
Páginas: 336

Sinopse: Catherine aproveitou a vida de solteira por tempo suficiente para reconhecer um excelente partido quando o encontra: lindo, carismático, espontâneo... Lee parece bom demais para ser verdade. Suas amigas concordam plenamente e, uma por uma, todas se deixam conquistar por ele. Com o tempo, porém, o homem louro de olhos azuis, que parece o sonho de qualquer mulher, revela-se extremamente controlador e faz com que Catherine se sinta isolada. Amedrontada pelo jeito cada vez mais estranho de Lee, Catherine tenta terminar o relacionamento, mas, ao pedir ajuda aos amigos, descobre que ninguém acredita nela. Sentindo-se no escuro, ela planeja meticulosamente como escapar dele. Quatro anos mais tarde, Lee está na prisão e Catherine, agora Cathy, tenta reconstruir a vida em outra cidade. Apesar de seu corpo estar curado, ela tornou-se uma pessoa bastante diferente. Obsessivo-compulsiva, vive com medo e insegura. Seu novo vizinho, Stuart Richardson, a incentiva a enfrentar seus temores. Com sua ajuda, Cathy começar a acreditar que ainda exista a chance de uma vida normal. Até que um telefonema inesperado muda tudo. Ousado e poderoso, convincente ao extremo em seu retrato da obsessão, No escuro é um thriller arrebatador.

Não é à toa que considero esse livro um dos melhores da minha estante. Elizabeth Haynes se saiu muito bem levando em consideração que esse é seu primeiro romance e sendo que o livro aborda um tema tão polêmico. No escuro foi originalmente escrito em 2008 e eleito pela Amazon UK o melhor livro de 2011.

O livro conta a história de Catherine em dois períodos diferentes da sua vida:

Em 2003, Catherine Bailey é a nossa protagonista que tem uma vida bem agitada. Seus pais morreram na época em que fazia faculdade. Então, no auge da sua vida de solteira e sem ninguém para impedi-la, Catherine vai aos melhores pubs, frequentas as melhores festas e adora beber, dançar e outras coisas a mais.

Em uma dessas festas ela conhece Lee Brightman, que trabalhava como segurança naquele dia. Lee é um rapaz misterioso, que esbanja charme por onde anda. Catherine se vê completamente atraída por aquele homem carismático, de ombros largos e olhos azuis. Logo, eles começam a sair juntos e todas as amigas de Cathy o aprovam, até dizem que finalmente ela encontrou “o cara certo”. Assim, ela parte para cima e começa a se relacionar intensamente com ele.

Depois de um tempo, Catherine percebe que está em uma enrascada. Lee revela ser uma pessoa controladora, possessiva e faz com que Cathy se sinta amedrontada. Só então ela decide contar as suas amigas o que está acontecendo, porém elas dizem que Catherine está ficando doida e que Lee é uma ótima pessoa.

“Você tem ideia de como isso é injusto? Eu daria tudo para ter um homem como Lee. Daria qualquer coisa, qualquer coisa no mundo, para ter alguém tão dedicado a mim quanto ele é a você.” (Página 175)

Em 2007, Catherine sofre de TOC (transtorno obsessivo-compulsivo) e sua vida se resume em ficar em casa revistando as portas e janelas várias vezes seguidas durante horas. Ela está traumatizada, constantemente assustada. O simples fato de ir ao mercado faz com que ela perca a noite revistando seu apartamento inúmeras vezes, mesmo que já tenha feito isso há um minuto atrás.

A vida de festas, badalações e bebidas, acabaram. Cathy não quer se relacionar com mais ninguém, já que tem vergonha e medo das pessoas. Vergonha do seu corpo que é coberto por várias cicatrizes nos braços e pernas, e medo que alguém, ou até mesmo ele, machuque ela novamente.

“Eu havia verificado o apartamento tantas vezes nas últimas vinte e quatro horas que estava cansada demais para continuar. O alívio que isso costumava me dar não veio.” (Página 152)

Catherine não tem ninguém com quem possa contar, não tem amigas, família e muito menos um namorado. Mas isso não dura muito tempo, logo nossa protagonista conhece o seu novo vizinho, Stuart, que mora no andar de cima e aos poucos Catherine vai confiando mais nele e acaba deixando um pouco de lado sua compulsão. Entretanto, um telefonema faz com que todo o medo que ela vinha carregando triplicasse.

Esse é o tipo de livro que merece ter adaptação cinematográfica, indico ele para quem gosta de thriller psicológico. Durante toda a leitura me perguntava se Lee tinha realmente feito algo a Catherine ou se ela estava ficando louca. Me perguntava também o que tinham feito a ela para estar tão traumatizada e quais eram as origens daquelas cicatrizes. No escuro consegue nos mostrar que relacionamentos também podem ser destrutivos.

- Lista de compulsões da Catherine:





 Classificação (0 a 5): 5 

Photobucket
http://www.leituranossa.com.br/2014/08/post-premiado-de-agosto.html

8 comentários:

  1. Eu tenho esse livro há muito tempo e ainda não li... agora fiquei com vontade de começar agora mesmo...kkk
    Ótima resenha Léo, pelo jeito vou gostar.

    Beijos,

    ResponderExcluir
  2. Nossa esse livro parece ser excelente Léo! Já tinha visto ele por aí e tinha ficado com medo dele ser um livro nada a ver. Mas diz aí, o livro revela a origem das cicatrizes e se Lee fez alguma coisa com ela? Fiquei curiosa rs beijos

    ResponderExcluir
  3. Débora
    Obrigado! ... Então você tem mesmo que começar a leitura logo. É quase um pecado ter ele na estante e não lê-lo, rsrsrs. Você não vai se arrepender, devorei as páginas em poucos dias.


    Nathalia
    O livro é realmente muito bom. Também fiquei com um pé atrás no inicio, mas logo no começo você percebe que o livro tem potencial... Elizabeth Haynes não deixou nada passar em branco, mesmo que algumas coisas tenham ficado subentendidas.


    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Léo, preciso deste livro!!
    Jesus, imaginei tanta coisa aqui. Amo um thriller psicológico... Fiquei imaginando o porque das cicatrizes? Ela é louca ou não? E esse vizinho, é suspeito?
    Preciso dele urgente!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Ele virou filme não virou? Ou estou trocando com um parecido. Enfim, não li ainda, mas é o gênero que eu gosto.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  6. Olá Léo!

    É um livro muito intenso e que mostra como alguém com uma mente psicopata e controladora consegue disfarçar muito bem isso e tornar a vida de outra pessoa um pesadelo.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Fabrica dos Convites
    Não, infelizmente não ganhou uma adaptação nas telinhas. Mas ainda não perdi a esperança, estou orando para que algum diretor queira fazer um filme baseado nesse enredo rsrs

    Abraços!

    ResponderExcluir