De Repente, Ana - Marina Carvalho

De Repente, Ana
Autora: Marina Carvalho
Editora: Novo Conceito
320 páginas
Sinopse: Ana decidiu viver permanentemente na Krósvia, e tudo está às mil maravilhas. Além do namoro cada vez mais sério com Alexander, ela tem um emprego fixo na embaixada brasileira e dedica parte de seu tempo às meninas do Lar Irmã Celeste. Mesmo cumprindo tantos compromissos sociais como princesa, Ana nunca foi tão feliz. Porém, de uma hora para outra, tudo muda. Seu pai, o rei Andrej Markov, sofre um grave acidente e vai parar na UTI. Não resta alternativa: Ana vai ter que assumir o trono da Krósvia e governar a nação. Pouco – ou quase nada – familiarizada com a função, ela vai precisar de ajuda não só para reger o seu país, mas também para manter perto de si aqueles que ama. Muita gente está interessada no seu fracasso.

Depois de muito tempo sem resenhar nada (devido à correria do trabalho), consegui terminar De Repente, Ana! Logo de cara você vê que Marina amadureceu sua escrita, tornou a leitura ainda mais dinâmica e incluiu o ponto de vista de Alexander... Mas e aí? O livro é bom?

Depois de o rei Andrej sofrer um acidente e entrar em coma, Ana precisa assumir o comando. Só que diferentemente da Mia, de O Diário da Princesa, Ana é segura de si e entende dos assuntos. Só que, como a Mia, a Ana não tá lá muito inteligente nesse livro... Nem o Alex.

Enquanto temos a boa inovação dos capítulos com o ponto de vista dele, podemos ver que ele ama, sim, a Ana, mas também comete as mesmas besteiras que ela, no quesito de não contar uma situação que vai complicar mais tarde.

Aí é que tá o que menos gostei no livro: esse tipo de clichê. Eu não tenho nada contra os clichês, adoro mesmo alguns deles, mas o que eu não gosto é daquele tipo "fulano deixa de contar algo pra sicrano e aquilo vai se virar contra ele". Não gosto de ver a Ana fazendo isso porque gosto dela como personagem e não quero vê-la sofrer. E olha que ela sofre exageradamente nesse livro, viu? Achei desnecessárias algumas coisas, até.

Então não acho legal a mocinha cometer burrices a um nível desesperador, sendo ela tão ajuizada e inteligente. Até entendo que com relação a questões românticas, mas não com relações à assuntos de segurança de uma princesa. E achei os vilões muito clichês também, bem ao estilo novela mexicana.

Mas o livro também diálogos legais e um delicioso epílogo no final (coisa que a Dé ia amar) contando o destino de todos os personagens. A linda Krósvia foi mostrada pouco desta vez, acho que Marina podia até fazer um conto depois só com detalhes dessa cidade muito legal.

No geral, eu gostei mais de Simplesmente Ana, mas acho que a escrita desse livro é muito melhor e definitivamente vou ler outros livros de Marina Carvalho.

Avaliação (de 0 a 5): 4,0


Photobucket

6 comentários:

  1. Ah, tenho a maior curiosidade pra ler os livros da Marina Carvalho... e sabendo que tem um epílogo daqueles que adoro fiquei ainda mais curiosa...
    Também tenho bronca de clichês desse tipo... todo mundo percebe que vai dar M$#@* e o personagem vai lá e esconde...
    Bom saber que a Ana é mais inteligente que a Mia que me irritava profundamente..kkkk
    Ah, e as capas continuam lindas, né??

    beijos,

    ResponderExcluir
  2. Oi Mika, nunca li nada dessa autora mas sua resenha despertou a minha curiosidade, acho que você gosta dela né? haha
    Ai, eu fico muito brava quando a mocinha toma algumas atitudes diferente das que eu tomaria, mas acho que isso ajuda na construção da personagem,
    Acho que vou gostar bastante.
    Beijos,
    Aline.

    ResponderExcluir
  3. Oi Dé,
    Eu gosto das histórias da Marina Carvalho, são empolgantes na medida certa. E esse livro tem um belo epílogo (dois, na verdade), o que a deixa a história fechadinha do jeito que a gente gosta.
    Mas esses clichês me irritam muuuito! Logo a Ana, que é mais inteligente do que a Mia...
    As capas são um acerto da Novo Conceito com a Marina Carvalho, sempre!

    Oi Aline,
    Gosto dela, sim. Apesar de alguma coisa e aqui outra ali que não gosto, ela é a minha autora favorita nacional da Novo Conceito e acho que ela tá amadurecendo bastante na profissão, de modo que já estou esperando os próximos livros :)

    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Oi Mika,
    Que pena que o livro desandou... senti isso com Azul da cor do mar, um exagero no clichê. Pq gosto de clichê, mas algumas situações parecem viagem demais para um só livro. kkk
    E segredos nunca acabam bem, bem como omissões, por melhor que sejam as intenções.

    ResponderExcluir
  5. Oi Dani,
    Sério que vc também sentiu isso em Azul da cor do mar?
    Pois é, existem clichês que se tornam legais por serem escritos de forma inovadora ou simplesmente por serem legais. Agora isso de esconder segredo já foi muito visto em novelas e livros,..

    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Olá Mika,
    Geralmente quando estou lendo uma trilogia sempre percebo quando a autora da uma amadurecida na leitura rsrs ... Acho que é comum a protagonista não ser muito inteligente, às vezes até deixa a leitura melhor! Mas que bom que no geral você gostou do livro :)
    Beijos,
    Leo

    ResponderExcluir