Sol e Tormenta - Leigh Bardugo

Sol e Tormenta
Autora: Leigh Bardugo
Editora: Gutenberg
368 páginas
Original:Siege and Storm
Série Grisha
Sinopse:
Perseguida ao longo do Mar Real e aterrorizada pela memória dos que se foram, Alina Starkov tenta levar uma vida normal com Maly em uma terra desconhecida, enquanto mantém em segredo sua identidade como Conjuradora do Sol. Mas ela não pode ocultar seu passado e nem evitar seu destino por muito mais tempo. Ressurgido de dentro da Dobra das Sombras, o Darkling retorna com um aterrorizante e novo poder e um plano que irá testar todos os limites da natureza.Contando com a ajuda e com os ardis de um admirável e excêntrico corsário, Alina retorna ao país que abandonou, determinada a combater as forças que se reúnem contra Ravka. Mas enquanto seus poderes aumentam, ela se deixa envolver pelas artimanhas do Darkling e sua magia proibida, e se distancia cada vez mais de Maly. Ela será então obrigada a fazer a escolha mais difícil de sua vida: ter sua pátria, seu poder e o amor que ela sempre pensou ser seu porto-seguro ou arriscar perder tudo na tormenta que se aproxima.


Segundo livro da incrível trilogia Grisha, Sol e Tormenta entra ainda mais na mitologia da obra e faz com que conheçamos mais lugares exóticos do mundo de Alina Starkov.

Claro que ser uma fugitiva não seria fácil. Mas o legal da história é o quanto Alina amadurece do começo para o final. Não é um daqueles amadurecimentos de um capítulo para o outro, mas aos poucos, à medida em que ela percebe as implicações do seu poder, a sua responsabilidade para com o povo de Ravka e que até as pessoas podem ser dúbias por necessidade. 

Com a entrada de um personagem - até agora - fabuloso, a história ganha mais intrigas políticas e reviravoltas que vão fazer você acabar a leitura em poucas horas. Sério, essa trilogia dá gosto de ler, de tão bem escrita e elaborada que é. Não posso falar muita coisa sem soltar spoiler, mas esse livro ainda torna as opiniões sobre alguns personagens (Certo, Dé???) ainda mais diversas, mas é assim que a autora trabalha, sem deixar a gente respirar um minuto sequer.

O livro é praticamente tão bom quanto o primeiro, exceto por algumas partes em que senti falta da leveza de Sombra e Ossos. Claro que o ritmo da segunda parte é outro, mas mesmo assim...

Alina é uma personagem de livro de fantasia que não dá dor de cabeça ao leitor (algo que se torna comum em distopias como Estilhaça-me e A Seleção) e simplesmente segue em frente na história, seja errando ou acertando. Já Maly e o Darkling vão aprofundando suas características, seja para o bem ou o mal. A trama atinge seu ponto crítico para que, no desfecho, comece a resolução de tudo.

E do jeito que Leigh Bardugo é, quem leu os livros não pode esperar :)

A trilogia

-Sol e Tormenta
-Ruína e Ascensão

Avaliação (de 0 5): 4,5





Photobucket
Não deixem de participar do nosso POST PREMIADO:

6 comentários:

  1. Nossa, estou doida pra ler o último... adorei essa trilogia até agora e tomara que a autora mantenha esse ritmo no último livro...
    Ah, o personagem novo é ótimo... mas as intrigas da corte e tudo mais me deixam muito amedrontada...

    beijos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dé, eu também mal posso esperar, que ansiedade!!!
      Esse novo personagem foi a melhor coisa que apareceu no segundo livro rsrs
      Bjs!

      Excluir
  2. Depois de encarar Jogos Vorazes, Divergente e o Quarteto de Noivas da Nora Roberts, estou tentando evitar me prender em livros com mais de um volume kkkk
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nana,
      Realmente a gente acaba se prendendo muito a esses livros.Mas eu, particularmente, gosto muito de livros de continuação. Vai entender, né? rsrs
      Bjs!

      Excluir
  3. Oi!
    Não li nenhuma distopia, mas sempre vejo o povo se queixando das protagonistas, rsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gladys,
      Isso é porque muitas personagens passam o livro inteiro de mimimi ou se queixando que o mocinho não gosta delas (Como em A Seleção ou no primeiro volume de Estilhaça-me). Mas muitas personagens, como a Katniss de Jogos Vorazes, provam que personagens de distopias podem ser incríveis :)
      Bjs!

      Excluir