Memórias de um Vendedor de Mulheres - Giorgio Faletti (@intrinseca)

1978. Enquanto a Itália vive os dramáticos dias do sequestro do seu ex-primeiro-ministro Aldo Moro, Milão, esgotada pelos confrontos políticos e ameaçada pela criminalidade, prepara-se para se entregar aos prazeres excessivos dos anos 1980. Para a rica sociedade milanesa, que passa os verões em Santa Margherita e Paraggi, as diversões se tornam cada vez mais extremas, em um clima de fim de império.
É nesse ambiente que são conduzidos os negócios de um homem enigmático e fascinante, vítima de uma mutilação causada por sua insolência. Todos o conhecem como Bravo. Ele trabalha com mulheres. Vendendo-as. Sua existência é uma longa noite em claro partilhada com desesperados. O único ser humano com quem parece ter uma relação normal é Lúcio, seu vizinho cego. Em comum, eles têm a paixão pelos criptogramas.
O surgimento repentino de uma garota, Carla, torna a despertar em Bravo sensações que ele acreditava adormecidas para sempre. Na verdade, este é o início de um pesadelo que o transformará em um homem procurado pela polícia, pelo serviço secreto, pelo crime organizado e pelos militantes das Brigadas Vermelhas. Para se salvar, ele poderá contar apenas consigo mesmo. O mundo real exige sua presença e o põe diante da violência do seu tempo. Trata-se de algo tão sinistro que faz seus tráficos torpes parecerem puros como água cristalina.


Memórias de um Vendedor de Mulheres (Appunti di un venditore di donne)
Autor: Giorgio Faletti
Editora Intrínseca (2012)
288 páginas

Ganhei este livro e iniciei a leitura, porém o larguei por ter outras prioridades, eis que ele ficou quase dois anos na estante, esperando, esperando...

Giorgio Faletti tinha uma escrita muito boa, suas descrições de Milão em 1978 foram minuciosas, e podemos observar por sua narrativa que os anos setenta foram iguais, só mudava o país.

Bravo é um personagem no estilo antiherói, ele é um cafetão, cuida de suas garotas e seu serviço é conhecido por discrição.

O motivo do apelido ele nos esclarece, no entanto Giorgio nos deixa um tanto sem palavras com a primeira frase do prólogo.

"Eu me chamo Bravo e não tenho pau." 


Depois dessa vai me dizer que não fica curioso em saber como ele ficou sem a parte íntima?! Acredite... você ainda ficará mais boquiaberto no que se refere a este assunto.

Com citações interessantes o autor me prendeu em meio a sua teia de intrigas, conspirações, a máfia, mas acima de tudo a inteligência de Bravo é excepcional.

"Este lugar e esta vida fazem com que as cores murchem, e de nada adianta misturar tons de cinza. Mais claro ou mais escuro, o resultado é sempre cinza."

Bravo é muito realista, ele analisa tudo e todos. Um italiano bem apessoado que sabe seus limites, mas que por uma de suas garotas toma uma decisão arriscada.

O desenrolar da trama foi frenético, Bravo se vê numa encruzilhada e terá que ter muita astúcia para se livrar ou então afundará sem retorno.

Com personagens cativantes de índoles diversas, Memórias de um Vendedor de Mulheres vai deixar você curioso e ansioso pelo desenrolar da trama. E quando menos esperar surge mais uma revelação bombástica para lhe desestabilizar.

Um suspense de tirar o fôlego, um personagem com uma inteligência ímpar, intrigas e conspirações. Um cafetão, a máfia, o crime organizado e uma boa dose de leitura

E se quer um conselho, cuidado com qual personagem irá se apegar.

Giorgio vai nos levar até Milão de 1978 num piscar de olhos, apesar de que em vários momentos seja impossível piscar com medo de perder algum detalhe.


Um livro super recomendado. =)

Foto postada no Insta

Nota (0-5): 3,5





1 comentários:

  1. Gente, que começo de livro mais inusitado é esse??? Tb fiquei curiosa, kkkk
    Faz tempo que não leio um livro assim. Não conhecia esse, mas já me interessei. Só me deu um calafrio qndo li a parte sobre se apegar a um personagem..... ai, eu me apego demais, rsrs.....

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    ROMANTIC GIRL

    ResponderExcluir