172 Horas na Lua - Johan Harstad




Sinopse: 172 Horas na Lua - O ano é 2018. Quase cinco décadas desde que o homem pisou na Lua pela primeira vez. Três adolescentes comuns vencem um sorteio mundial promovido pela NASA. Eles vão passar uma semana na base lunar DARLAH 2 - um lugar que, até então, só era conhecido pelos altos funcionários do governo americano. Mia, Midore e Antoine se consideram os jovens mais sortudos do mundo. Mal sabem eles que a NASA tinha motivos para não ter enviando mais ninguém à Lua. Eventos inexplicáveis e experiências fora do comum começam a acontecer...prepara-se para a contagem regressiva.






Assim que eu vi esse lançamento da Novo Conceito eu tive que pedir para ler. A capa, a sinopse e o gênero do livro já me fez sentir vontade de avalia-lo. Nunca tinha ouvido falar desse autor, então para mim seria uma experiência nova até porque nunca havia lido nenhuma ficção norueguesa.

O começo do livro achei muito devagar, entretanto não cheguei a considerar como um ponto realmente negativo do livro pois não demora tanto a chegar na parte em que realmente esperamos.
O enredo é sobre a ida de três adolescentes a Lua. A NASA elaborou uma seleção para adolescentes de todo o mundo se inscrever, porém, ela tem outros objetivos com essa ida de adolescentes a Lua.

Os adolescentes que irão a Lua vão para uma base que ainda não foi testada, e enquanto outros astronautas exploram aos redores dessa base desconhecida, a NASA está lucrando porque todos os holofotes da Terra estão voltados para os adolescentes na Lua.

O que eles acabam descobrindo é que a base que eles descobriram é mais perigosa do que pensavam e os adolescentes correm perigo.

Bom gente, só posso contar realmente até ai. Mas posso adiantando que eu imaginava coisas completamente diferentes que atacariam a base, mas na verdade a coisa é outra, porém isso vai de imaginação a imaginação. No começo eu demorei a me apegar a escrita do autor, com o passar das páginas que fui me situando.

Há também um ponto negativo que vale ser considerado: quando ainda está havendo a seleção dos três adolescentes, são mostrados a nós os escolhidos. Que foram Mia, Midori e Antoine, só que antes mesmo de declararem os escolhidos, eles já se consideravam os escolhidos. Alguns por entrelinhas ou abertamente, como a Mia. Achei que o autor viajou um pouquinho aí, já que era uma seleção mundial.

Apesar desses detalhes negativos, é um livro ótimo que me fez roer unhas e ficar pensando nele enquanto estava na faculdade, ficava com muita vontade de pegar o livro e começar a ler, mas me contive. A diagramação está ótima, cheia de detalhes e figuras! Vale a pena gente, leiam!


Classificação: 4  



Photobucket

Não deixe de participar do nosso top comentarista do mês

4 comentários:

Deixe seu comentário