O Retrato de Dorian Gray - Oscar Wilde


Quando o retrato de Dorian Gray foi publicado pela primeira vez em forma de livro, em 1891, era uma versão substancialmente alterada do romance original de Oscar Wilde. Considerado muito ousado para sua época, já tinha sido editado quando publicado em série na revista literária Lippincott’s, em 1890, e depois ainda foi alterado pelo próprio Wilde, que, em resposta às duras críticas, fez sua própria edição para a publicação em livro. Assim, a versão original, tirada do manuscrito de Wilde, nunca havia vindo a público. Nicholas Frankel, professor de Inglês na Universidade de Virginia, teve acesso ao original datilografado de Wilde, revisitando e restaurando o romance como foi pensado originalmente. The Picture of Dorian Gray: An Annotated, Uncensored Edition foi finalmente publicado pela Harvard University Press e agora sai pela Primeira vez no Brasil, pela Biblioteca Azul





Sem dúvida nenhuma, O Retrato de Dorian Gray foi o livro mais complicado que eu já li. Não pela sua narrativa, que é brilhante, mas por apresentar diversas questões que mexem com o psicológico do leitor. Nunca me senti tão dividida entre amar ou odiar um personagem como no caso de Gray e ver o quanto ele muda radicalmente durante o livro me deixou realmente triste.
Dorian Gray era extremamente conhecido por ser um jovem simpático com todos, afetuoso e muito bonito. Essas suas qualidades despertaram um certo fascínio e amor no pintor Bassil Hallward. Ele o idolatrava tanto, que decidiu que um quadro com o rosto de Dorian seria o ápice de sua carreira.

Todos ficam intrigados quando ouvem Bassil falar com tanto deslumbramento sobre o jovem Dorian e isso desperta curiosidade, principalmente de Lord Henry, que astuto, maldoso e persuasivo, acaba por desvirtuar totalmente a natureza pura e boa de Dorian. Henry o apresenta para os prazeres mundanos, e o lado fútil das coisas toma conta de todo o seu coração. O maior desejo de Dorian é que sua beleza dure para sempre e que ele permaneça jovem e, quando seu retrato feito por Bassil está sendo finalizado, ele almeja com toda a sua força que a sua beleza seja eternizada juntamente com a obra.

Henry continua levando Dorian para um caminho tortuoso e sem volta e tudo o que ele era no começo da história, já não existe mais. Então ele conhece Sibyl Vane, uma atriz nem um pouco famosa mas com muito talento, por quem se apaixona perdidamente. Mas nem o amor consegue fazer com o antigo Dorian volte. Ele se preocupa tanto com as aparências, que em momentos chega a tratar a moça com total desprezo e crueldade, para que seu amigos não zombem dele.

O seu pior acontece quando por algumas razões, a jovem Sibyl se suicida e, controlado por Lord Henry, Dorian fica totalmente indiferente a esse fato. A partir desse ponto, Dorian começa a perceber as mudanças em seu quadro. A leveza, o olhar simpático e a bondade expressas ali, parecem ter evaporado. E o quadro continua a mudar.... Mas não revelarei mais da história desse livro. Apesar de ser um clássico conhecidíssimo, o final ainda é muito intrigante e surpreendente.

Depois da leitura eu entendi os motivos desse livro ter sido tão recriminado na época em que foi escrito. Com certa está a frente de seu tempo e causa estranheza para quem faz a leitura até os dias de hoje.


Nota: 5,0.









Não deixe de participar do nosso top comentarista do mês

5 comentários:

  1. Eu li esse livro tem um tempo e confesso que achei diferente do que pensei que seria mas, gostei.
    Ele mexe muito com nosso piscológico e podemos trazer pro dia de hoje, que as pessoas estão tão fissuradas pela beleza eterna.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Eu não conhecia esse livro, mas a história me pareceu bastante interessante, o único problema e que nunca consigo entender livro de época, mas o livro parece ser muito bom, para quem gosta é uma boa indicativa de leitura.

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é muito diferente de tudo que já li, odiar e amar ao mesmo tempo, suicídio, mexe realmente com o psicológico, gostaria muito de ler, parece bom.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Aline. Confesso que estou surpreso com a estória de O Retrato de Dorian Gray. Já havia visto alguns simples comentários sobre o livro antes, mas nada tão profundo como a sua resenha. Me interessei imensamente com o fato da indiferença e mudança do protagonista do livro e o suicídio da garota. Quero ler!

    ResponderExcluir
  5. Amo esses livros que fazem agente ficar confuso, amar ou odiar, fiqui muito surpresa de saber que tem essas mudanças no retrato dele eu não sabia dessa fato, e quero saber o porque que o retrato mudo e até que ponto vai tudo isso... me interessei bastante quero ler.

    ResponderExcluir