Dez coisas que aprendi sobre o amor - Sarah Butler

Por quase 30 anos, quando a brisa de Londres torna-se mais quente, Daniel caminha pelas margens do Tâmisa e senta-se em um banco. Entre as mãos, tem uma folha de papel e um envelope em que escreve apenas um nome, sempre o mesmo. Ele lista também algumas coisas: os desejos e o que gostaria de falar para sua filha, que ele nunca conheceu. Alice tem 30 anos e sente-se mais feliz longe de casa, sob um céu estrelado, rodeada pela imensidão do horizonte, em vez de segura entre quatro paredes. Londres está cheia de memórias de sua mãe que se fora muito cedo, deixando-a com uma família que ela não parece fazer parte. Agora, Alice está de volta porque seu pai está morrendo. Ela só pode dar-lhe um último adeus. Alice e Daniel parecem não ter nada em comum, exceto o amor pelas estrelas, cores e mirtilos. Mas, acima de tudo, o hábito de fazer listas de dez coisas que os tornam tristes ou felizes. O amor está em todas as partes desta história. Suas consequências também. Sejam boas ou más. Até que ponto uma mentira pode ser melhor do que a verdade?


Dez coisas que aprendi sobre o amor (Ten things I'ved learnt about love)
Autora: Sarah Butler
Novo Conceito (2015)
256 páginas



Um livro com carga emocional moderada, sem apelar demais, que faz você refletir e quem sabe mudar um pouco sua maneira de agir?

Alice é jovem, vive com o pé no mundo, mas a saúde do seu pai lhe traz de volta à Inglaterra.

Mas ela continua sentindo-se isolada da família, como se houvesse um segredo entre suas irmãs e o pai.

Alice é solitária, gosta de ficar sozinha pensando, avaliando, desejando.

Cada início de capítulo é definido por uma lista de Dez coisas e basta termos atenção para notar quando muda de Alice para Daniel.

Daniel vive vagando pelas ruas de Londres em busca de sua filha que nunca conheceu. Coleta objetos brilhantes e de várias cores e os guarda para formar palavras.

De início fiquei perdida com essa mania dele. Cada letra ter uma cor, mas enquanto avançamos podemos nos situar.

O passado de ambos é descrito aos poucos e podemos entender o que cada um passou.

Gostei de como ela escolheu abordar a perda, a busca por si mesmo, o perdão. Mas de todos os sentimentos o que mais me agradou foi a esperança latente de Daniel.

Um livro do qual não esperei muito e não consegui largar com facilidade, tanto que o li de um dia para outro.


Nota (0-5): 3,0





Não deixe de participar do nosso top comentarista do mês

12 comentários:

Deixe seu comentário