Crítica - A Quinta Onda


Evidenciado como um filme de ficção cientifica, a primeira impressão de A 5º Onda é que um filme com uma premissa diferenciada, obviamente tentando se destacar e se diferenciar dos outros filmes adaptados de outas trilogias de livros adolescentes. Pois é, não se deixe enganar pelas primeiras impressões e pelo inicio do filme, porque a película é apenas mais do mesmo, tentando encontrar o sucesso da sua obra original.

De inicio, somos apresentados a Cassie (Chloe Grace Moretz) em uma cena estilo The Walking Dead de tensão, abandono e nada confortável. E o desfecho da cena é bem  impactante, só o que a cena promete para o filme, o próprio não cumpre. O título do longa se refere a premissa dele, a Terra começa a sofrer uma série de ataques alienígenas; primeiro, eles utilizam pulsos eletromagnéticos para cortar a energia do planeta; depois, mandam uma tsunami para dizimar boa parte da população do planeta; na terceira onda, um vírus é utilizado para matar os habitantes que sobraram; e por fim, eles se infiltram entre nós, assumindo a mesma forma que a nossa para causar desconfiança entre os terrestres que ainda vivem. Tudo isso, serve para desenvolver a protagonista Cassie e inserir um drama no longa quando ela se separa de modo trágico de seu pai e irmão, o último capturado pelo exercito.

O inicio do filme em que são apresentados os personagens e toda a trama cumprem o seu devido proposito. O problema acontece depois dos 30 primeiros minutos de filme quando as reviravoltas acontecem da pior maneira possível e nos é inserido um relacionamento amoroso entre Cassie e Evan (Alex Roe), e que depois ainda se torna um triângulo amoroso com o Ben (Nick Robinson), que é o líder do esquadrão do irmão de Cassie, algo quase que inédito né? (foi uma ironia, rsrs)

Todo o suspense levantado pelo filme até aquele momento é jogado de lado e usado de forma muito simples em todos os aspectos do filme e as cenas de ação que o diga, que eram para serem levadas a sério, fazem-no parecer um longa de comédia (cito isso, porque as cenas sérias do filme faziam o cinema cair na gargalhada e não estou brincando infelizmente). O que nos sobra para o longa é um triângulo amoroso e o desejo de uma irmã para salvar o irmão, coisas que não são inéditas e são muito comuns em filmes adolescentes hoje em dia.

A 5º Onda falha no que poderia ter sido um sci-fi contemporâneo de grande sucesso, mas que parece só ter sido feito feito por um interesse de mercado, mesmo tendo vários fatores a seu favor para torná-lo mais excitante que o desfecho final. Sobra para o espectador a impressão de já ter assistido a esse filme, afinal tudo que é usado nesse filme já virou clichê. Cassie ainda terá que derrotar os aliens e sobreviver durante mais dois filmes, mas a franquia precisa evoluir muito para se diferenciar de outras adaptações.

Nota (0 a 5): 1,5

Não deixe de participar do nosso top comentarista do mês

4 comentários:

Deixe seu comentário