1984 - George Orwell

Sinopse: No livro, Orwell mostra como uma sociedade oligárquica é capaz de reprimir qualquer um que se opuser a ela.

1984
Autor: George Orwell
Editora: Companhia das Letras
Ano: Edição de 2009, lançamento em 1949.
416 páginas


Há livros para criar tensão, outros pra relaxar depois do trabalho, outros para se apaixonar e ainda há aqueles que simplesmente precisam ser lidos ao longo da vida. Que mexem com você. Que tiram você do lugar-comum. Que não são nada como você já tenha lido antes.. E então, já conhece 1984?



Tendo o ano de 1984 como o futuro, esse livro é uma distopia (isso mesmo! Bem antes de Jogos Vorazes) que retrata um país, a Oceânia, que é dominado por um governo totalitário que monitora tudo o que os habitantes fazem. Um simples tremor ou uma piscada estranha podem fazer a pessoa ir presa pela Polícia das Ideias por conspirar contra o Grande Irmão.

Sim, esse é o nome do símbolo do Partido, que mantém o poder. Lembrando que em inglês é Big Brother. Isso te lembra alguma coisa? Pois é, o reality show se inspirou no Big Brother do livro que sempre observa a todos (Uma das frases marcantes é "The Big Brother is watching!", algo como "O Grande Irmão está observando).

E em cada casa existe um monitor chamado teletela que transmite as notícias e também serve para espionar todo mundo. E também eles podem alterar o passado quantas vezes quiserem para fazer com que todos acreditem que o país está melhor do que antes. O duplipensamento é algo recorrente nessa distopia, que consiste em uma pessoa acreditar em duas linhas de pensamento opostas (algo que parece com o nosso mundo, quando gente que reclama de alguma coisa e acaba apoiando justamente essa coisa).

Dizer mentiras deliberadas e acreditar genuinamente nelas; esquecer qualquer fato inconveniente e depois, quando ele se tornar de novo necessário, retirá-lo do esquecimento somente pelo período exigido pelas circunstâncias
-Definição de duplipensamento, página 252.

Então, aí Winston é um funcionário que percebe tudo isso e vive na tensão de ser levado para ser assassinado. As coisas pioram quando ele conhece Julia, uma mulher que sabe esconder muito bem a sua vida do Partido e vive livremente. O perigo é que os relacionamentos amorosos são proibidos (o casamento é somente para procriação).

Tá, ok, mas por que esse livro é tão incrível? A cada capítulo parece que as páginas vão se soltar e jogarem a realidade na sua cara! 1984 retrata um governo totalitário futurista, sim, mas as técnicas de manipulação e alienação das pessoas são bem atuais mesmo. O duplipensamento de muitas pessoas na hora de interpretarem notícias, todo o discurso sobre o poder, tudo é incrivelmente aplicável em política e mídia.

Em geral, quanto maior a compreensão, maior o engodo; quanto maior a inteligência, menor a saúde mental
-Página 253 

Jogos Vorazes era brincadeira de criança, quero ver era escaparem do Grande Irmão! Esse livro não é nada do que você está acostumado a ler nas distopias e nos livros comuns do dia a dia. Ele é um tapa na cara, ninguém é o que você espera que seja e o livro não vai ser bonzinho como em outras distopias modernas.

Além da reflexão, 1984 também tem uma escrita boa, envolvente e não é chato. É um daqueles clássicos que podem ser lidos sem monotonia. Mas se você procura um livro com o desenrolar ao qual já está acostumado, esse não faz esse tipo. E se você procura algo puramente relaxante ou uma trama política leve como Jogos Vorazes, também não faz esse tipo.

Mas se você quiser alimentar o cérebro, encarar a leitura de um dos melhores escritores do século XX e ler a fonte da qual vários escritores atuais se inspiraram, eu recomendo. Muito mesmo!

P.S: Na verdade, eu escreveria uma resenha enorme sobre esse livro. Não dá pra resumir em poucas palavras, mas pelo menos tentei rs.


10 comentários:

Deixe seu comentário