Salem - Stephen King

Ambientado na cidadezinha de Jerusalem's Lot, na Nova Inglaterra, o romance conta a história de três forasteiros. Ben Mears, um escritor que viveu alguns anos na cidade quando criança e está disposto a acertar contas com o próprio passado; Mark Petrie, um menino obcecado por monstros e filmes de terror; e o Senhor Barlow, uma figura misteriosa que decide abrir uma loja na cidade.
Após a chegada desses forasteiros, fatos inexplicáveis vêm perturbar a rotina provinciana de Jerusalem's Lot: uma criança é encontrada morta; habitantes começam a desaparecer sem deixar vestígios ou sucumbem a uma estranha doença. A morte passa a envolver a pequena cidade com seu toque maléfico e Ben e Mark são obrigados a escolher o único caminho que resta aos sobreviventes da praga: fugir.
Mas isso não será tão simples, os destinos de Ben, Mark, Barlow e Jerusalem's Lot estão agora para sempre interligados. E é chegada a hora do inevitável acerto de contas.




Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
460 páginas

Olha, só pra começar, eu nunca achei que sentiria medo de um livro sobre vampiros. Vampiros! Eu sou fã do gênero, adoro Entrevista com o Vampiro e tantos outros que surgiram depois. Mas nunca pensei que vampiros pudessem ser assustadores. Até, claro, ler a versão do Stephen King sobre eles.

Ok, não foi meedo, mas, digamos, um certo receio de dormir principalmente depois de ler as partes em que um deles arranha uma janela de vidro com as unhas. E é porque peguei o livro que considerei menos assustador desse autor, tirando dramas como À Espera de um Milagre.


Então, Jerusalem´s Lot ou também conhecida como salem´s Lot, é a típica cidadezinha pequena dos EUA, cheio de gente fofoqueira, crianças brincando livremente e a missa aos domingos. Mas o autor não se prende só às partes superficiais dessa cidade. Ele a trata como um personagem e desvenda para nós até mesmo os seus segredos mais sórdidos.

Na verdade, Stephen King não ameniza a realidade. Ele não deixa de escrever porque você se incomoda com aquilo. Ele realmente é honesto com tudo o que criou e por isso a história vai parecendo cada vez mais real. Como nada é muito exagerado, então como os eventos sobrenaturais seriam?

É aí que acompanhamos o escritor Ben Mears - que voltou à cidade para se livrar do medo que sentia da Casa Marsten, sombria lenda local, - a cética Susan Norton - sua namorada, - o professor Matt, o médico Jimmy, o padre Callahan e o incrivelmente corajoso garoto Mark Petrie, na jornada para descobrir os mistérios da cidade e derrotar o mal que se instaurou com a chegada de um vampiro muito antigo. Praticamente uma releitura de Drácula.

Gente, mas dá AGONIA acompanhar os passos deles em direção ao perigo. É como assistir um filme de suspense. Stephen King descreve muito bem o sentimento deles e toda a tensão ao se aproximarem de algo que a gente já imagina que vai ser problemático. Dá friozinho na barriga como raramente senti em livros de suspense.

E não pense que ele vai ser bonzinho como os escritores de outros livros. Ele cria muitos personagens porque sabe que vai haver uma matança depois, então tememos pela vida deles o tempo todo.

Então, se você gosta do autor, é um livro que merece ser lido. Se você se acostumou a livros rápidos, pode estranhar um pouco o começo que demora a deslanchar, mas que realmente pega o ritmo quando as primeiras coisas passam a acontecer. Se você tem medo de livros de terror, pode experimentar ler algumas passagens deste para ver o que acha.

Mas, de qualquer forma, é um livro muito bem escrito, sombrio e merece ser lido. Vale a pena até sair da zona de conforto para começar a devorar suas páginas.

0 comentários:

Deixe seu comentário