Strange Angels - Lili St.Crow

O Mundo Real é um lugar apavorante. Basta perguntar para Dru Anderson, uma órfã de 16 anos - garota durona que já acabou com sua parcela de bandidos. Ela está armada, é perigosa e está pronta para atirar primeiro e perguntar depois. Então, vai levar um tempo até que ela possa descobrir em quem confiar. Dru Anderson se acha estranha por mais tempo do que é capaz de se lembrar. Ela viaja de cidade em cidade com seu pai, caçando coisas que nos aterrorizam à noite. Era uma vida bem esquisita, mas boa - até que tudo explode em uma cidade gélida e arruinada de Dakota, quando um zumbi faminto arromba a porta da cozinha. Sozinha, aterrorizada e sem saída, Dru vai precisar de cada pedacinho de sua esperteza e treinamento para continuar viva. Seres sobrenaturais decidiram ser os caçadores - e desta vez, Dru é a presa. Chance de sobrevivência? De pouca a nenhuma.



Strange Angels
Autora: Lili St. Crow
288 páginas
Editora Novo Século

Sabe quando o livro tem um tema superlegal, mas você sente que a leitura não tá sendo boa? A história até tenta, mas a narrativa não deixa nada se desenvolver direito.

Esse era o livro que eu levava no ônibus pra ler. Mas mesmo quando estava entediada, não conseguia ler muito. E ficava achando estranho. Poxa, a história de uma garota badass, caçadora de criaturas sobrenaturais, que acaba sozinha contra os inimigos do seu pai deveria ser uma história que prendesse até o final.

Mas não.

O enredo

Dru e seu pai percorrem várias cidades atrás de pistas para caçar criaturas sobrenaturais e já estão acostumados com o Mundo Real, que a maioria das pessoas desconhece. Tudo ia bem, até que o pai dela não volta de uma caçada e logo depois um zumbi aparece para matá-la. Órfã, assustada e ainda querendo ser durona, ela conta com a ajuda de Graves, com quem meio que fez amizade na escola, para sobreviver aos seres que passam a persegui-la.

Opinião

Um dos maiores problemas do livro começa na linguagem irritante que é usada. A gente entende que eles falam bem em gíria mesmo, mas é estranho quando você lê muito "cê vai?" ou "moleque" na história. Eu sei que isso é uma reprodução do sotaque dos personagens, mas acabou não soando muito natural - embora a intenção fosse justamente tornar mais natural. Na tradução brasileira, as expressões parecerem algo saído do Chico Bento misturado com um ar meio "malandro". Não curti muito e não fui a única (é só ler as resenhas no Skoob).

O que também não me agradou foram as constantes interrupções na ação do livro pra fazer descrições meio inúteis. Tipo, tá numa cena de briga e de repente vai falar do céu? Ou do que Dru lembrava com aquilo? Isso não é bom para o ritmo da história e perdi a paciência várias vezes quando lia aquilo.

De personagens, o meu favorito é o Christophe, que só aparece pelo meio, então não vou falar muito dele (e mesmo ele podia ser melhor). Dru pode ser muito repetitiva às vezes no seus medos e Graves era absurdamente fofo em meio a tudo aquilo.

Mas, calma! Não odiei o livro. Apenas tive uma expectativa alta ao comprá-lo na Bienal e fiquei esperando pra ver o ritmo decolava. Se você estiver atrás de uma boa história, sem se preocupar com ritmo, pode ser uma leitura indicada. E também não tem aquela lengalenga dos triângulos amorosos, embora eu achei que ainda vá ter nos próximos. Mas vá sem expectativas e procurando uma leitura descompromissada.

Coleção:
 -Strange Angels
- Traição
- Ciúmes
- Defiance





3 comentários:

Deixe seu comentário