A Nona Vida de Louis Drax - Liz Jensen

Louis Drax não é um menino comum. Prestes a completar 9 anos, dotado de uma imaginação mórbida, Louis todo ano sofre algo terrível e misterioso que ameaça tirar sua vida. Sua mãe vive em pânico constante. Seu psicólogo se vê perplexo diante desse fenômeno. O garoto está sempre entre a vida e a morte.
Em um piquenique com a família, Louis acaba caindo de um penhasco. Dado como morto, volta milagrosamente à vida, mas entra em coma profundo. Sua única chance de recuperação é o Dr. Pascal Dannachet.
O caso do menino se torna um desafio para o médico, e ele logo se vê envolvido pelas intrigantes circunstâncias de seu acidente. Será que a queda foi mesmo acidental? Apenas Louis detém a resposta, mas ele não pode se comunicar. Ou pode?

Título: A Nona Vida de Louis Drax
Editora:Record
Ano: 2016
Páginas: 238


Com uma premissa realmente boa - tanto é que originou um filme, - A Nona Vida de Louis Drax empolga, empolga... e aí parece não saber o que fazer com a boa história que tem nas mãos.



Louis Drax é intrigante no começo porque não é uma típica criança fofinha em apuros. Ele é um menino meio agressivo, que reproduz preconceitos, é muito mais inteligente do que os adultos ao redor e, lá no fundo, quer fazer uma boa ação. Mas à medida que a história passa, ele passa a ser um pouco irritante pela agressividade. O final justifica um pouco esse temperamento, mas, no geral, ele não é lá muito carismático.

O Dr. Pascal parece ser um homem equilibrado, mas só parece. O nível de atitudes sem noção desse homem me faz pensar se ele sempre foi assim ou se a situação toda só aflorou aquilo nele. Aos poucos, o seu envolvimento com o caso de Louis vai se tornando cada vez mais dramático e perigoso até chegar num ápice. Eu queria um desenvolvimento melhor pra ele, mas acho que fazia parte do personagem que fosse assim.

Sobre a história central, de fato, o mistério das quase-mortes de Louis consegue ser sustentado até o final e é realmente interessante. Mas as motivações que levam a isso são tão pobres de explicações que me dá vontade de ter uma conversa com a escritora.  Objetos Cortantes, de Gillian Flynn, guarda semelhanças com a história e toda a motivação dos assassinatos ocorridos é contada de forma muito mais plausível e não da forma fútil como Liz Jensen explica.

Agora, não tem como não se intrigar com os fenômenos causados por Louis ao longo da história. Eu li esse livro no espaço de um dia, doida pra saber o porquê de tudo aquilo. A descrição da mente de Louis durante o coma e as percepções que ele tem do mundo exterior são bem interessantes. A própria descrição do hospital com seu lindo jardim é tão detalhada que você realmente fica com a impressão de ter visitado o lugar.

No geral, A Nona Vida de Louis Drax é um livro bom, porém, com falhas. Ele podia ser um livro excelente se tivesse trabalhado melhor o mistério central e as motivações por trás dele. Mas serve para quem gosta de histórias intrigantes e personagens com atitudes inesperadas.

Obs: a capa do filme é mais bonita que a original! Achei super criativa e tem tudo a ver com a história.

Veja o trailer do filme, estrelado por Jamie Dornan (Cinquenta Tons de Cinza) e Aaron Paul (Breaking Bad), que estreou ano passado.


0 comentários:

Deixe seu comentário