Baby Driver - Em Ritmo de Fuga


O jovem Baby (Ansel Elgort) tem uma mania curiosa: ele precisa ouvir músicas o tempo todo para silenciar o zumbido que perturba seus ouvidos desde um acidente na infância. Mesmo assim, o rapaz revela-se um motorista excelente, e começa a trabalhar para uma gangue de criminosos. Quando um assalto a banco não sai como planejado, ele cai na estrada em fuga.

Nota: 4/5


Direção: Edgar Wright
Elenco: Ansel Elgort, Lily James, Kevin Spacey, Jamie Foxx, Jon Hamm e Eiza González.

Um dos filmes mais falados do momento, Baby Driver - Em Ritmo de Fuga é perfeito para assistir no cinema, com uma direção sensacional e trilha sonora vibrante. Mas por mais empolgante que seja, não dá pra deixar de lado os furos na história. Mas vamos por partes:



Cenas eletrizantes

Sequências ágeis e bem dirigidas.

A montagem do filme é feita para casar perfeitamente com as músicas que Baby (Ansel Elgort, de A Culpa é das Estrelas) está ouvindo, então a qualidade técnica é bem alta. É como se trilha sonora e imagem dançassem uma coreografia perfeita.

Além disso, só pelos primeiros minutos, você já sabe que as sequências de perseguição de carros vão tirar o seu fôlego. Tudo isso intercalado com diálogos engraçados e com timing perfeito.

Não apenas isso, até mesmo planos-sequência de Baby andando pela rua ou diálogos bonitinhos com Deborah (Lily James, de Cinderela) mostram que a direção é cuidadosa e empenhada em tornar o filme memorável.



Uma história com furos

A gangue com Baby, Bats, Darling e Buddy.

Baby é o motorista de uma gangue liderada por Doc (Kevin Spacey, de House of Cards) e é extremamente talentoso em escapar de enrascadas, sempre ouvindo uma música que combina com o momento (na verdade, ele precisa ouvi-las, já que tem um zumbido no ouvido). Mas tudo o que o rapaz quer é se livrar da dívida que tem com Doc e poder viver sua vida em paz, especialmente depois que conhece Deborah.  

Só que o novo assalto com a gangue formada pelo paranóico Bats (Jamie Foxx, de Django Livre) e o perigoso casal Buddy (Jon Hamm, de Mad Men) e Darling (Eiza González, da série Um Drink no Inferno) vai sair completamente do controle.

A história é muito boa até a metade do filme. Depois disso, um monte de coisas absurdas acontecem (provavelmente na tentativa de surpreender o público) e o filme começa a se tornar muito clichê. O final é um pouco melhor, embora não muito claro, mas dá uma sensação meio confusa ao término do filme. A impressão que dá é que o final foi apressado pra encerrar logo a história.

Personagens fracos

Deborah é fofa, mas não sai muito disso.


A narrativa e os personagens são os grandes pontos fracos deste filme. Claro que ninguém está pedindo uma história no nível de Martin Scorsese, mas não custava muito ao menos amarrar os pontos soltos deixados.

Deborah, por exemplo. Aquela típica personagem charmosa com falas interessantes que não tem profundidade nenhuma. Ela não precisa ser uma Furiosa de Mad Max, mas realmente não sabemos nada sobre ela. Deborah simplesmente embarca numa aventura com um cara que mal conhece pra escapar de uma gangue e correndo o risco de ir parar na prisão. Ela só está ali pra ser o interesse amoroso do protagonista.

Baby funciona até a metade do filme (como toda a história, aliás), mas aí com a reviravolta, acaba se tornando alguém que não queria ser. E isso nem é mesmo abordado no roteiro, como se fosse natural de acontecer. 

E a minha maior raiva na história: a gangue formada por um grande elenco. O final de Doc é simplesmente ridículo. A sua personalidade muda da água pro vinho e ninguém estranha isso. Bats, o criminoso mais doido ali, é totalmente desperdiçado dentro do roteiro, restando para o personagem de Buddy a missão de levar o filme até o fim.


Apesar dos furos, Baby Driver ainda mantém a qualidade.


Pode até parecer que eu odiei, mas eu gostei de Baby Driver. Só não concordo que ele é um novo clássico ou um dos melhores filmes da década. Se for assim, então realmente estamos em uma crise no cinema.

Mas no geral, vale a pena assisti-lo no cinema, é certeza de diversão.

E você? O que achou de Baby Driver?

Veja o trailer:





Não deixe de participar do nosso top comentarista do mês

2 comentários:

  1. Mikaela!
    Você foi bem exigente na avaliação do filme, hein?
    Bom ver que o filme até tem seus clichês e mesmo assim vamos nos surpreender com ele.
    Também com um elenco desses e com a direção do maravilhoso Jamie Foxx, não esperava nada mais do que isso e ainda com música boa, tenho de assistir de qualquer forma.
    Apesar das suas ressalvas, meu interesse não diminnuiu...
    Desejo um mês repleto de realizações e um ótimo final de semana!
    “A vida guarda a sabedoria do equilíbrio e nada acontece sem uma razão justa.” (Zíbia Gasparetto)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE AGOSTO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Que bela avaliação em!
    Não tinha ouvido fala desse filme mas tem uma ótima pegada legal e o enredo é bem interessante e não sabia que ele era o protagonista do filme. Gosto bastante de ação e ao mesmo tempo comédia, então acho que adoraria ver esse filme.

    ResponderExcluir