Mestre das Chamas - Joe Hill

Ninguém sabe exatamente como nem onde começou. Uma pandemia global de combustão espontânea está se espalhando como rastilho de pólvora, e nenhuma pessoa está a salvo. Todos os infectados apresentam marcas pretas e douradas na pele e a qualquer momento podem irromper em chamas.
Nos Estados Unidos, uma cidade após outra cai em desgraça. O país está praticamente em ruínas, as autoridades parecem tão atônitas e confusas quanto a população e nada é capaz de controlar o surto.
O caos leva ao surgimento dos impiedosos esquadrões de cremação, patrulhas autodesignadas que saem às ruas e florestas para exterminar qualquer um que acreditem ser portador do vírus.
Em meio a esse filme de terror, a enfermeira Harper Grayson é abandonada pelo marido quando começa a apresentar os sintomas da doença e precisa fazer de tudo para proteger a si mesma e ao filho que espera.
Agora, a única pessoa que poderá salvá-la é o Bombeiro – um misterioso estranho capaz de controlar as chamas e que caminha pelas ruas de New Hampshire como um anjo da vingança.
Do aclamado autor de A estrada da noite, este livro é um retrato indelével de um mundo em colapso, uma análise sobre o efeito imprevisível do medo e as escolhas desesperadas que somos capazes de fazer para sobreviver.

Título: Mestre das Chamas
Autora: Joe Hill
Editora: Arqueiro
Ano: 2017
592 páginas

Avaliação (de 0 a 5): 4,0

Essa foi a minha primeira leitura do autor Joe Hill. Fiquei surpresa que a narrativa me pegou logo nas primeiras páginas e me guiou capítulos adentro. Apesar do destaque que o personagem do Bombeiro ganha na sinopse, a estrela da história é mesmo a enfermeira Harper.

Uma epidemia tomou conta do planeta

Quando a doença Escama do Dragão começa, ninguém está a salvo. Ao fazer surgir estranhas marcas (tipo tatuagens) no corpo dos doentes, a doença pode fazê-los entrar em combustão instantânea e, por conta disso, o mundo vira um caos de incêndios e cinzas. Harper Grayson é enfermeira e voluntária para atender o hospital local, mas acaba sendo infectada. E, ainda por cima, descobre que está esperando um bebê. 

É então que o seu marido Jakob (ódio desse homem) se revolta e, depois de uma série de situações, a moça foge de casa e é salva por John Rockwood, um infectado conhecido como "Bombeiro". Ele não somente é capaz de sobreviver à doença, mas também pode controlar as chamas de acordo com a sua vontade. Junto com a adolescente Allie, ele a leva para a colônia de refugiados, onde novos desafios irão surgir. 

Uma narrativa ágil e rápida

Apesar de longo, as passagens do livro são bem rápidas e tudo acontece logo. Agora, eu acho que os personagens acabaram ficando superficiais. Pelo menos pra mim. Apesar de os conhecermos muito bem, eu mesma não senti nenhum temor pela vida deles, com exceção do Bombeiro e do menino Nick, mesmo tendo amado Renée, Allie e Pai Storey (uma clara referência a Dumbledore, de Harry Potter). 

"Existe algo de terrivelmente injusto no fato de morrer no meio de uma boa história, antes de ter oportunidade de ver como tudo acaba. Em certo sentido, claro, eu acho que todo mundo sempre morre no meio de uma boa história. Da sua própria história. Ou da história dos seus filhos. Ou dos netos. A morte é sempre dureza para os viciados em narrativas."
Página 30

Se for comparar com o Stephen King (desculpem, fãs do Joe Hill, eu não consigo não comparar o autor com o pai dele), vemos que ele segue uma tendência a desenvolver os personagens, mas desta vez, não deu certo. Eu preferiria que ele usasse as páginas de descrição para mais cenas de ação, que são o forte do livro. Outra coisa que me incomodou - mas que depois eu me acostumei e até passei a gostar - foi o autor dar pequenos spoilers no fim dos capítulos. É tipo "mas aquela porta nunca mais se abriria de novo" e coisas assim.

Acho que detalhes assustadores como os Bondes da Cremação - que vão atrás dos infectados para matá-los - poderiam ser melhor utilizados. Sendo um mestre do terror, eu esperava que Joe Hill nos deixasse sem ar nas cenas em que essas pessoas aparecem (e, de fato, ficamos apreensivos. Só que não tanto quanto imaginei). 

Personagens ora fortes, ora nem tanto

Harper é a personagem que melhor se desenvolveu. Adorei as referências a Mary Poppins e musicais como A Noviça Rebelde. Só acho que não precisava compará-la tanto a Julie Andrews, a atriz que interpreta as protagonistas dos dois musicais mencionados. Embora isso nos ajude a visualizar melhor a personagem, acho que não deixa espaço para a Harper de verdade. Mas eu a adorei. Ela é fofa e submissa no começo, e passa a ser mais segura de si, mais rebelde e até mais ousada. Só gostaria que essas mudanças não ocorressem de forma tão abrupta. Às vezes, é como se o autor não vivesse tanto na cabeça de Harper. 

Gostei muito do Bombeiro também. Seria incrível vê-lo em uma adaptação, pena que ele não aparece taaantas vezes como eu gostaria (o que te faz pensar realmente sobre a quem o autor se refere com o título de Mestre das Chamas). Achei que ele ficou ainda mais adorável no final, especialmente nas últimas páginas. Dá vontade de ler uma fanfic só dele.

Como eu já disse, os demais personagens são legais, porém, superficiais. Eles são escritos para soarem complexos, mas não consegui ver esse profundidade toda. Nem da rebelde Allie, nem do bondoso Pai Storey, nem da fanática Carol, nem mesmo da tão amável Renée ou do abjeto Jakob (que se mostra surpreendentemente real no começo, com a sua fraqueza de caráter e arrogância nojenta). O resultado disso é que uma reviravolta no clímax da história acaba não tendo um impacto tão grande assim.



Apesar de tudo, esse é um livro muito bom de se ler. Quem curte The Walking Dead ou outras narrativas pós-apocalípticas, vai se sentir em casa com essa história. Há muitos elementos de fantasia, muitas referências à cultura pop atual (para que você se sinta dentro da história mesmo) e uma boa abordagem do que é a doença e de como ela se manifesta.

Eu não li os outros livros de Joe Hill, mas acho que são bem mais aterrorizantes do que esse. Para quem tem medo de terror, esse é um livro que tem suspense, no máximo. O Mestre das Chamas é mais uma história sobre os seres humanos em situações de extrema tensão. É atual, envolvente, gostoso de ler e vale a pena tanto para o fãs do autor como para quem ainda não o conhece. 


1 comentários:

  1. Não li esse ainda mas já li O Pacto do mesmo autor e me apaixonei, o autor é mesmo surpreendente né!
    Recomendo que leia também certeza que vai amar.

    Beijos
    https://tamigarotaindecisa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir