[Resenha] Lady Susan - Jane Austen

LADY SUSAN, o romance epistolar de Jane Austen, nunca recebeu muita atenção dos leitores em comparação com os seus outros seis romances maiores, principalmente por ser uma obra curta. Os estudiosos de sua obra estimam que tenha sido escrito entre os anos de 1793 e 1794, quando a jovem escritora encontrava-se em seus últimos anos de adolescência. Representa um hiato na totalidade da obra de Jane Austen por se caracterizar como um estudo sobre uma mulher adulta, que usa sua inteligência e charme para manipular, trair e abusar de suas vítimas, sejam elas, amantes, amigos ou mesmo membros de sua família. 

Título: Lady Susan
Autora: Jane Austen
Editora: Landmark
Ano da edição: 2014
Páginas: 152

Avaliação (de 0 a 5): 5,0


Jane Austen escreveu tão poucos livros que quando a gente encontra um que não leu ainda é capaz de guardar como um tesouro precioso. Por isso que é tão gratificante começar a ler e redescobrir a escrita de Austen, como se nos reencontrássemos com uma velha amiga, mesmo que por pouquíssimas páginas.



Sobre o que é a história


Escrita em formato epistolar, em cartas enviadas pelos personagens, a história traz uma vilã como protagonista da história. Lady Susan, diferente de outras protagonistas da autora, é viúva, tem mais de 30 anos e uma filha adolescente. Muito bonita e sedutora, ela se diverte causando a discórdia em seu próprio benefício. Lady Susan é uma daquelas vilãs cínicas, que a gente ama odiar em novelas.

A criatura é tão dissimulada que foi, digamos, expulsa, da casa dos Manwarings porque tentou seduzir o marido da anfitriã e flertar com o noivo da cunhada! Não satisfeita, Lady Susan ainda mandou a filha, Frederica, para um internato porque a moça não quer se casar com um noivo idiota que a mãe arranjou.

Mas calma que a confusão nem começou ainda. Como esse povo da época da Jane Austen adorava passar meses de visita na casa dos outros, Lady Susan vai se hospedar na casa da outra cunhada, Mrs. Vernon, que fica com ódio da visita e logo alerta o irmão, Reginald, pra não cair nas garras da mulher. E não é que a Lady Susan resolve conquistar o rapaz?


O que eu achei


Já deu pra ver que a história tem um tom de comédia que a torna deliciosa de ler. Se você gosta do tom irônico de Jane Austen, este livro parece ser um dos mais sarcásticos de todos. Todo mundo é muito ingênuo, exceto a esperta Mrs. Vernon e, claro, a diva Lady Susan.

As intrigas vão tomando forma e logo ficamos na expectativa de ver se a mulher vai conseguir mesmo o que quer ou se os seus planos serão frustrados por Mrs. Vernon. Não dá pra resistir a passar mais uma página e quando você vê, já chegou no final. Porém, o único defeito é que o final propriamente dito não é epistolar.

Acho que esse é um dos livros mais divertidos da autora e melhor do que Mansfield Park, por exemplo. Lady Susan não tem paciência pra mocinhas sofredoras e rapazes influenciáveis, soltando todo o veneno em cartas para a fiel amiga Mrs. Johnson. Tem como não amar?

Alguns comentários a mais


-A edição da Landmark está linda, porém, com um erro crasso de Português logo no resumo da parte de trás: "permiti" no lugar de "permite". Pode parecer pequeno, mas é chato se deparar com um erro desses em um livro clássico. No mais, a edição tem capa dura e vale a pena ser lida.

- Lady Susan é um romance tão curtinho que são 152 páginas porque é na edição bilíngue, se fosse apenas em Português, seria bem pequenininho.

- A obra foi adaptada para os cinemas no filme Amor e Amizade, com Kate Beckinsale no elenco. 

Se eu recomendo essa obra? Vá correndo ler! É Jane Austen no auge da sua ironia.

Confira o trailer de Amor e Amizade:


1 comentários:

Deixe seu comentário