[Resenha] Princesa das Cinzas - Laura Sebastian

Theodosia era a herdeira do trono de Astrea quando seu reino foi invadido, deixando um rastro de destruição.Dez anos depois, a princesa, órfã, prisioneira e subjugada, percebe que não lhe resta mais nada, a não ser lutar pela própria liberdade.O passado, que por tanto tempo ficou enterrado, agora precisa vir à tona para mostrar a Theodosia os caminhos que poderão levá-la de volta ao trono.Mas Theo conseguirá ser a rainha de que seu povo precisa? Ou será que anos de humilhações transformaram a herdeira da Rainha do Fogo em meras cinzas?

Título: Princesa das Cinzas
Autora: Laura Sebastian
Editora: Arqueiro
Ano: 2018
Quantidade de páginas: 352

Avaliação (de 0 a 5): 5,0

Finalmente uma protagonista de fantasia que não surge badass/pronta pra batalha. A comparação com a Sansa, de Game of Thrones, é inevitável, mas Theodosia mostra que a vingança é um prato que se come frio e pode ser bem amargo. Teve gente que detestou a moça, mas vou logo dizer que me surpreendi com a personagem. Pelas outras resenhas, esperava que Theo fosse uma criaturinha indefesa o livro todo, mas não é assim.

Sobre o que é Princesa das Cinzas?


Os kalovaxianos invadiram Astrea, terra da magia e do reinado da mãe de Theodosia. Eles assassinaram e escravizaram os astreanos, subjugando seus costumes, cultura e História. Ao ficar órfã, a pequena Theo é mantida no palácio sob o nome de lady Thora. Ela ainda caminha entre a nobreza, mas com o título de Princesa das Cinzas (e com a própria coroa de cinzas) para que se lembre de que ela é inferior.

Suponho que seja fácil sentir-se à vontade em um mundo no qual você está por cima. É fácil não notar aqueles em cujas costas você pisa para se manter no alto. Eles não são nem vistos.
Página 212

Como se não bastasse, Thora/Theo leva chicotadas a cada vez que uma rebelião de seu povo surge, o que a deixa bem temerosa do que o Kaiser Corbinian pode fazer com ela. Para sobreviver e se manter sã, ela esconde sua frustração para soar inofensiva e sem personalidade. E assim ela vive até receber uma proposta de ser a líder de uma rebelião e poder se vingar de todos aqueles que mataram o seu povo.

O que eu achei do livro?


Eu esperava que Theo fosse uma personagem muito mais maçante, mas me surpreendi com ela. Claro que ela precisava fazer o jogo da corte para poder sobreviver todos aqueles anos ali! Ela é bem Sansa Stark e não uma Katniss Everdeen. Nem todas as personagens precisam nascer prontas para lutar porque na vida real não seria assim.

Imagine só como ficaria a cabeça de uma pessoa que foi humilhada e torturada tantas vezes que se esquece de sua própria personalidade? É totalmente compreensível que ela sinta medo e subserviência ao kaiser depois de anos sendo subjugada. Isso mexe com a sua cabeça! Mas o bacana de Princesa das Cinzas é que não demora muito para que ela desperte e comece a se tornar uma personagem mais fria e astuta, semelhante à Kelsea de A Rainha de Tearling.

Esse lado frio de Theo me surpreendeu muito. Claro que ela vai ficar balançada quando se trata de prejudicar as pessoas que ama, mas é muito compreensível também. Assim como a impaciência dos rebeldes para a indecisão dela. Todos ali agem como adolescentes traumatizados e confusos porque É O QUE ELES SÃO. Cansada de pegar um livro de fantasia e me deparar com jovens de 16 anos que são verdadeiros adultos em todas as suas decisões. A única coisa um tanto "boring" foi o triângulo amoroso.

Eu recomendaria Princesa das Cinzas?


Se você está esperando uma Katniss, não, eu não recomendo. Mas eu convido você a olhar para as personagens femininas como seres humanos e não apenas como exemplos rígidos de força e coragem o tempo inteiro. É ótimo ler sobre mocinhas que saem quebrando tudo depois de tantos anos de personagens submissas. Mas vale lembrar que o espectro das personalidades humanas não abrange somente esse tipo de comportamento e que as mulheres podem e devem ser representadas de tantas maneiras quanto os homens.

Alguma coisa em mim está despertando. Esta não é minha casa. Eu não sou o prêmio deles. Não estou satisfeita com a vida que eles tão generosamente pouparam. (...) Tenho de descobrir como poderei eu mesma me salvar.
Página 37

Então, temos Katnisses e Theodosias na vida real. Por que não em um livro de fantasia? Como personagem principal, Theo é capaz de manter o leitor percorrendo as próximas páginas para descobrir os desdobramentos dos seus nem tão brilhantes planos. É justamente essa incerteza do que pode acontecer (ao contrário de tantos exemplos nesse tipo de literatura) que me deixou ansiosa para saber o final da história.

Entre clichês e resoluções muito rápidas, Princesas das Cinzas me agradou muito e eu recomendaria para quem curte fantasia, Sansa Stark e histórias com personagens um pouquinho diferentes do usual.

0 comentários:

Deixe seu comentário