[Resenha] O Jardim Esquecido - Kate Morton

Uma criança abandonada, um antigo livro mágico, um jardim secreto, uma família aristocrática, um amor negado. Em mais uma obra-prima, Kate Morton cria uma história fantástica que nos conduz por um labirinto de memórias e encantamento, como um verdadeiro conto de fadas.
Dez anos após um trágico acidente, Cassandra sofre um novo baque com a morte de sua querida avó, Nell. Triste e solitária, ela tem a sensação de que perdeu tudo o que considerava importante. Mas o inesperado testamento deixado pela avó provoca outra reviravolta, desafiando tudo o que pensava que sabia sobre si mesma e sua família.
Ao herdar uma misteriosa casa na Inglaterra, um chalé no penhasco rodeado por um jardim abandonado, Cassandra percebe que Nell guardava uma série de segredos e fica intrigada sobre o passado da avó.
Enchendo-se de coragem, ela decide viajar à Inglaterra em busca de respostas. Suas únicas pistas são uma maleta antiga e um livro de contos de fadas escrito por Eliza Makepeace, autora vitoriana que desapareceu no início do século XX. Mal sabe Cassandra que, nesse processo, vai descobrir uma nova vida para ela própria.
Publicado originalmente como O Jardim Secreto de Eliza.
Título: O Jardim Esquecido
Autora: Kate Morton
Editora: Arqueiro
Ano: 2018
Quantidade de páginas: 496

Avaliação (de 0 a 5): 5,0

O Jardim Esquecido é aquele tipo de livro que deixa a gente encarando o nada depois que termina. A história é emocionante, profunda e melancólica, e realmente transporta você para dentro das páginas, enchendo a sua mente com as lembranças da narrativa. Eu demorei alguns minutos depois da leitura para absorver as histórias das personagens, seus percalços, suas tragédias e suas alegrias ao longo das páginas. É uma bela leitura.

Sobre o que é o Jardim Esquecido?


Vamos lá: prepare-se para encarar camadas e camadas de histórias. Preste bem atenção nas datas dos capítulos para não se perder no começo. Ao todo, o livro conta a história de três mulheres: Eliza Makepeace, na época vitoriana, Nell Andrews, durante o século XX, e Cassandra, nos tempos atuais. O segredo de Nell é o que o une as três histórias.

Nell é avó de Cassandra. Após a sua morte, a neta descobre que Nell fora adotada e ninguém sabe nada sobre o seu passado. Ela foi encontrada ainda criança no cais de um porto, sem memória, somente com uma mala com roupas e um livro de contos de fada. Mas ao descobrir um bilhete deixado pela avó informando que ela herdou um chalé no interior da Inglaterra, Cassandra percebe que Nell estava investigando seu passado e nunca concluiu a pesquisa.

Ela decide, então, munida do livro de contos de fada da autora Eliza Makepeace, desencavar o mistério que rodeia a origem da avó e a explicação de ela ter sido abandonada em um navio há tantas décadas. É aí que passamos a acompanhar a infância de Eliza Makepeace, sua juventude na casa Blackhurst, a sua amizade com a prima Rose e todos os acontecimentos que a levaram a participar do destino da pequena Nell.

O que eu achei do livro?


O Jardim Esquecido tem tantos personagens e tramas que poderia facilmente virar uma série. Esse é um livro arrebatador! Não vá ler achando que é uma narrativa novelesca com desfechos fofinhos para todos. Essa é a história de uma família marcada pelas tragédias, preconceitos e comportamentos destrutivos que afetaram várias gerações. Você vai se emocionar, sentir raiva e ficar com o coração na boca com o destino de alguns personagens. Mas, acima de tudo, vai perceber que está diante de uma grande história.


E sobre a escrita de Kate Morton que as pessoas tanto comentam? Ela é, de fato, bastante descritiva em algumas passagens, o que pode tornar a leitura menos fluida em alguns momentos. No entanto, essa característica pode ser um defeito para alguns e uma qualidade para aqueles que querem se sentir dentro da história. Porque, olha, eu realmente me senti como se estivesse no chalé próximo ao penhasco com vista para o mar, praticamente sentindo o vento nos meus cabelos.

Sobre as personagens principais, nenhuma tem um carisma especial. Eliza é encantadora e independente, mas faz cada burrice por aqueles que ama... Nell é mais pé no chão, mas passa a vida rodeada pelos fantasmas do passado. Cassandra não é a mais carismática, mas é a única que consegue seguir em frente, apesar das perdas que sofreu. A que eu mais gostava era Rose, prima e melhor amiga de Eliza, mas me decepcionei muito com ela ao longo dos capítulos. A história de O Jardim Esquecido é tão grande e complexa que se torna maior até mesmo do que os próprios personagens.

Se eu recomendo o Jardim Esquecido?


Escrevi uma resenha enorme, apontei alguns defeitos, mas eu adorei o livro. No entanto, devido ao tamanho e a quantidade de histórias que vão desencavando outras, eu recomendaria para quem ama tramas com segredos familiares e voltas ao passado. Quem prefere histórias dos tempos modernos ou até mais românticas, talvez não curta tanto.

O Jardim Esquecido é um daqueles livros para degustar ao longo de muitos dias, para apreciar tudo. Sempre quis ler O Jardim Secreto de Eliza e fiquei superfeliz quando foi republicado pela Arqueiro. A edição está linda, ainda mais nos trechos do livro de contos de fada que intercalam alguns capítulos. Amei!

Curiosidades:

  • Em alguns momentos, a história é realmente parecida com o filme Jardim Secreto, baseado no livro de Frances Hodgson-Burnett. E não é coincidência! A escritora faz uma "participação" especial na história ao conhecer o jardim lindo de Eliza.
  • O livro também lembra um pouco as histórias de Charles Dickens, nas cenas de Eliza criança em Londres.
  • O Jardim Esquecido foi originalmente publicado como O Jardim Secreto de Eliza, na editora Rocco. 

0 comentários:

Deixe seu comentário