Lady Whistledown Contra-Ataca (Lady Whistledown #1) - Julia Quinn

Com a participação especial da famosa cronista da sociedade criada por Julia Quinn, Lady Whistledown contra-ataca é formado pelas narrativas curtas de quatro escritoras consagradas, tendo como fio condutor o roubo de uma pulseira milionária. Seus contos são como pérolas que se unem e formam uma peça de valor inestimável.
Quem roubou o bracelete de lady Neeley?
Terá sido o caça-dotes? O apostador? A criada? Ou o libertino? Londres está fervendo com as especulações, mas, se ainda restam muitas dúvidas, pelo menos uma coisa é certa: um desses quatro está envolvido no crime.
Crônicas da sociedade de lady Whistledown, maio de 1816
Julia Quinn encanta...
Um belo caçador de fortunas foi enfeitiçado pela debutante mais desejada da temporada. Agora ele precisa provar que o que deseja é o coração da jovem, não o dote dela.
Mia Ryan delicia...
Uma criada adorável e espirituosa está deslumbrada com as atenções românticas que tem recebido de um charmoso conde. Mas um relacionamento entre eles seria escandaloso e poderia arruinar a reputação dos dois.
Suzanne Enoch fascina...
Uma jovem inocente que passou a vida evitando escândalos de repente se vê secretamente cortejada pelo maior libertino de Londres.
Karen Hawkins seduz...
Um visconde que vaga sem destino volta para casa para reacender o fogo da paixão de seu casamento, mas descobre que sua linda e decidida esposa não será conquistada tão facilmente.
Dias atrás fiz o post do segundo livro dessa deliciosa série, li fora de ordem, pois não havia me interessado quando ele foi publicado e só depois da minha curiosidade me fazer ler aquele é que fui correndo ler esse...

Mais uma vez não vou citar cada conto conto individualmente já que existem várias resenhas que citam cada um em detalhes, novamente as quatros histórias tem um evento em comum, nesse é um jantar em que uma joia desaparece, e eu fiquei o livro todo com a pulga atrás da orelha sobre o que poderia ter acontecido, mas confesso que me surpreendi com o desfecho...

Devo dizer que achei o segundo levemente melhor do que esse, com mais humor pelo menos... mas apenas um pequeno parágrafo citando o jovem Colin Bridgerton nesse livro, já me fez dar um sorriso e um suspiro... será isso amor??

O que acho o máximo nessa antologia é que os personagens se veem ao longo dos contos, alguns até conversam, e é muito legal ver as mesmas cenas narradas sob perspectivas diferentes... principalmente sabendo que cada história foi escrita por uma pessoa diferente...

Olha, quem leu e conseguiu reconhecer o estilo de cada autora, ou até mesmo diferenciá-los, na minha opinião, merece uma medalha... porque eu sou incapaz desse feito mesmo tendo lido vários livros da Suzanne Enoch e umas duas dezenas de livros da Julia Quinn... se eu não soubesse quem escreveu o que, não teria a menor ideia nem que foram quatro autoras diferentes tão próximos ficaram seus estilos de escrita nessa série...

Novamente tive dificuldades para escolher meu favorito, gostei de todos... creio que o primeiro e o último tiveram uma pequena vantagem, mas no geral esse é um livro que mostra homens muito fortes mentalmente, em todos os contos os personagens masculinos são muito decididos e firmes, mesmo quando sua firmeza de caráter os leve para longe da pessoa amada...

No primeiro conto, Peter não quer se mostrar um caça fortunas e quer provar que não está interessado em Tillie pelo seu dote... no segundo, Antony terá que convencer Bella a aceitá-lo quando o que ela mais quer é ser independente... no terceiro, Xavier é um famoso libertino e precisa lutar até contra os pais de Charlotte para conseguir cortejá-la... no quarto, Max abandonou a esposa após um escândalo, agora Sophia quer a anulação e ele volta com tudo pronto para reconquistá-la... nesse conto ainda vale uma menção honrosa a John, irmão da Sophia, um fofo, que só sabe ir na casa da irmã pra comer e se meter na vida alheia...

Então minhas caras amigas, se preparem porque esse livro é um mocinho mais apaixonante que o outro...

Os livros podem ser lidos fora de ordem e não farão a menor diferença, mas a leitura fica melhor se você já leu Os Bridgertons pelo menos até o livro do Colin, isso porque Lady Whistledown é a maior fofoqueira anônima da cidade e tudo ficará mais divertido se você já souber quem ela é e porque ela existe... principalmente nesse livro, onde ela não poupará nem a própria mãe... nem preciso dizer o quanto ri nessa parte...

Uma pena que a série só tem 2 livros publicados entre 2003 e 2004, o que significa que provavelmente não haverá outros, porque eu leria mais uns 10 nesse estilo...

Série Lady Whistledown
- Lady Whistledown Contra-Ataca- Nada Escapa a Lady Whistledown

Mais Forte Que o Sol (Irmãs Lyndon #2) - Julia Quinn

Quando Charles Wycombe, o irresistível conde de Billington, cai de uma árvore – literalmente aos pés de Elllie Lyndon –, nenhum dos dois suspeita que esse encontro atrapalhado possa acabar em casamento.
Mas o conde precisa se casar antes de completar 30 anos, do contrário perderá sua fortuna. Ellie, por sua vez, tem que arranjar um marido ou a noiva intrometida e detestável de seu pai escolherá qualquer um para ela. Por isso o moço alto, bonito e galanteador que surge aparentemente do nada em sua vida parece ter caído do céu.
Charles e Ellie se entregam, então, a um casamento de conveniência, ela determinada a manter a independência e ele a continuar, na prática, como um homem solteiro.
No entanto, a química entre os dois é avassaladora e, enquanto um beijo leva a outro, a dupla improvável descobre que seu casamento não foi tão inconveniente assim, afinal...
Título: Mais forte que o Sol
Autor: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Ano: 2018
Número de páginas: 288


Avaliação (de 0 a 5): 5,0


Ah, quem resiste a um livro onde o romance começa com um casamento de conveniência?? Você não? Pois eu simplesmente adoro... me faz sempre pensar em como eram os casamentos antigamente, já imaginou casar com alguém que você mal conhece? Até os namoros eram bem curtos e bem castos... não tinha essa de ver se tem química e nem divórcio... #medo

Voltando ao livro, essa série é composta por apenas dois livros, o primeiro é bom, mas não é o melhor da autora... já esse segundo é maravilhoso... se tornou um dos livros que mais gosto da autora, os personagens são ótimos, o enredo... a história também é simples, assim como o primeiro livro, mas esse tem mais personagens secundários, uma família toda e isso faz toda a diferença...

Ellie é uma mocinha encantadora, já considerada solteirona e não tem problemas com isso, até o pai se decidir casar novamente com uma mulher que é uma VACA, em letra maiúscula mesmo... o livro também mostra bem como eram limitados os direitos das mulheres e que mesmo Ellie sendo uma mulher muito capaz e inteligente não tinha como cuidar sozinha dos seus próprios negócios, nem mesmo do seu próprio dinheiro... e é aí que ela conhece Charles e ele rapidamente a pede em casamento, no início ela nem pensa nessa possibilidade, mas quando começa a pensar em sua vida e no que a aguarda, ela repensa a decisão e aceita...

Charlie é um mocinho adorável, tem uma personalidade fofa, risonha, bem humorado mesmo nas piores situações... é o tipo de homem que eu me apaixonaria de verdade e muito facilmente... ele precisa se casar com urgência para não perder sua herança e quando conhece Ellie, nem pensa duas vezes e os surpreende pedindo a em casamento... os surpreende porque ele também fica surpreso ao perceber que quer um casamento de verdade, com uma mulher que possa ser sua companheira e isso é o maior encanto do livro...

Em muitos livros de casamento por conveniência os personagens combinam um casamento falso, com vidas separadas e até amantes, mas aí se apaixonam... nesse livro, o Charlie até pensa em fazer um arranjo assim antes de conhecer Ellie, mas depois que se casam, ambos percebem que querem um casamento de verdade, uma cômoda vida conjugal... claro que a vida de casados vai se mostrar tudo, menos cômoda... ambos terão que enfrentar muitos desafios, inclusive lidando um com o outro, se conhecendo melhor e algumas pessoas irão causar grandes problemas tentando fazer com que o casamento seja mais curto do que os protagonistas imaginariam...

Bem, se depois de tudo isso eu ainda não te convenci de que você precisa ler esse livro, faça o apenas porque eu estou pedindo então, juro que você não vai se arrepender...

Duologia Irmãs Lyndon
- Mais lindo que a Lua
- Mais forte que o Sol

Nada Escapa a Lady Whistledown (Lady Whistledown #2) - Julia Quinn

Em Nada Escapa a Lady Whistledown, a cronista eternizada por Julia Quinn continua a revelar os acontecimentos mais apimentados da temporada londrina. Suas colunas são o fio condutor das quatro histórias que formam esta encantadora e divertida coletânea.
Há tanto a ser dito sobre o baile oferecido por lady Trowbridge, em Hampstead, que esta autora não teria como contar tudo em só uma coluna... Crônicas da sociedade de lady Whistledown, maio de 1813
Julia Quinn encanta...
A alta sociedade está em polvorosa, afinal a debutante mais promissora da temporada foi rejeitada por seu pretendente... apenas para ser conquistada em seguida pelo charmoso irmão mais velho do canalha que não a quis.

Suzanne Enoch fascina...
Um futuro noivo fica sabendo que o comportamento escandaloso de sua bela prometida foi parar na coluna de lady Whistledown e volta correndo para Londres com o intuito de ganhar o coração da moça de uma vez por todas.

Karen Hawkins seduz...
Um conhecido libertino tem sua amizade mais antiga e seu coração postos à prova quando uma adorável dama se encanta por outro cavalheiro.

Mia Ryan delicia...
Uma jovem é despejada da própria casa por um detestável – embora charmoso – marquês que pretende tomar posse não apenas do imóvel, mas também de sua antiga moradora.
LANÇAMENTO: 09/04/2018 
TÍTULO ORIGINAL: THE FURTHER OBSERVATIONS OF LADY WHISTLEDOWN 
Editora: Arqueiro 
NÚMERO DE PÁGINAS: 320
Avaliação (de 0 a 5): 5,0



O livro tem em destaque o nome da autora Julia Quinn na capa porque ela criou, digamos, que a ambientação dessa série e coordenou todas as histórias, mas outras autoras que são maravilhosas escrevendo livros de época, contribuíram cada uma com uma história, são elas: Suzanne Enoch, Karen Hawkins e Mia Ryan.

Não vou me estender falando individualmente de cada conto, mas vou falar do livro como um todo, e ele até pode ser considerado mesmo uma obra só... 

Eu paguei minha língua com esse livro, porque sempre disse que não gostava de livro com vários contos, que preferia um livro com apenas uma história, que em poucas páginas era impossível escrever uma história sólida e mais um monte de bobagens, agora eu vejo... tanto que li fora de ordem porque quando o primeiro livro da série saiu, eu nem dei bola... aí assim que terminei de ler esse, estava tão encantada que saí que nem uma louca atrás do primeiro... então eu garanto, por experiência própria, que não é necessário você ler os livros em ordem... mas... será mais gostoso se você tiver lido a série Os Bridgertons até o livro do Colin pelo menos...

Primeiro de tudo a ideia de explorar as crônicas da maior fofoqueira de Londres é sensacional, confesso que achei que a série Os Bridgertons perdeu muito do seu brilho quando a fofoqueira anônima foi desmascarada e encerrou suas colunas, isso deveria ter acontecido só no último livro da série... então ressuscitar a coluna dessa forma é genial...

Em segundo lugar as tramas das quatro histórias estão perfeitamente amarradas pois elas convergem para um evento em particular, os personagens dos contos se encontram, falam uns dos outros, então é como se você lesse cada história em uma perspectiva diferente, mas que todas fazem parte de um todo...

Sinceramente não consigo apontar qual dos contos eu amei mais... talvez o segundo conto tenha uma leve vantagem pois tem personagens mais maduros e com personalidades mais exóticas, mas a escrita das autoras é tão semelhante que eu teria dificuldade em apontar quem escreveu o que, e até mesmo apontar que não foram escritas pela mesma pessoa se já não soubesse...


Já havia visto vários livros onde autores se juntam para formar uma só obra com vários contos, geralmente com temas semelhantes, mas como esse, sinceramente nunca vi igual e juro juradinho que não vou mais torcer o nariz pra esse tipo de livro, pelo menos não antes de lê-lo...

Mesmo para quem nunca leu um livro de época, esse é um bom início... as histórias são curtas, dinâmicas e tão envolventes que eu queria mais, um livro inteiro pra cada casal pelo menos... para quem gosta de livros de época, esse é um daqueles que nos enchem de suspiros...

[Resenha] O Homem de Giz - C.J.Tudor

Em 1986, Eddie e os amigos passam a maior parte dos dias andando de bicicleta pela pacata vizinhança em busca de aventuras. Os desenhos a giz são seu código secreto: homenzinhos rabiscados no asfalto; mensagens que só eles entendem. Mas um desenho misterioso leva o grupo de crianças até um corpo desmembrado e espalhado em um bosque. Depois disso, nada mais é como antes.
Em 2016, Eddie se esforça para superar o passado, até que um dia ele e os amigos de infância recebem um mesmo aviso: o desenho de um homem de giz enforcado. Quando um dos amigos aparece morto, Eddie tem certeza de que precisa descobrir o que de fato aconteceu trinta anos atrás.
Alternando habilidosamente entre presente e passado, O Homem de Giz traz o melhor do suspense: personagens maravilhosamente construídos, mistérios de prender o fôlego e reviravoltas que vão impressionar até os leitores mais escaldados.

Título: O Homem de Giz
Autora: C.J. Tudor
Editora: Intrínseca
Ano: 2018
Número de páginas: 272

Avaliação (de 0 a 5): 4,0


Um livro que remete a Stranger Things e It? Não tem como a expectativa ser baixa, né? Pois é, mas isso acaba colocando um peso na nova obra. Porque O Homem de Giz até carrega algumas (ok, muitas!) inspirações dos livros de Stephen King, mas descamba para um desenrolar próprio, flertando com o thriller psicológico.

Eu digo isso para que você não comece a folhear as páginas esperando sofregamente encontrar aquele tipo de personagem icônico que fez muita gente se apegar às crianças de It. O Homem de Giz tem a sua própria aura assustadora não por conta de um palhaço assassino ou de Demogorgon, mas pela própria mente humana.

[Resenha] Sempre Vivemos no Castelo - Shirley Jackson

Merricat Blackwood vive com a irmã Constance e o tio Julian. Há algum tempo existiam sete membros na família Blackwood, até que uma dose fatal de arsênico colocada no pote de açúcar matou quase todos. Acusada e posteriormente inocentada pelas mortes, Constance volta para a casa da família, onde Merricat a protege da hostilidade dos habitantes da cidade. Os três vivem isolados e felizes, até que o primo Charles resolve fazer uma visita que quebra o frágil equilíbrio encontrado pelas irmãs Blackwood. Merricat é a única que pressente o iminente perigo desse distúrbio, e fará o que for necessário para proteger Constance. Sempre vivemos no castelo leva o leitor a um labirinto sombrio de medo e suspense, um livro perturbador e perverso, onde o isolamento e a neurose são trabalhados com maestria por Shirley Jackson.

Título: Sempre Vivemos no Castelo
Autora: Shirley Jackson
Editora: Suma de Letras
Ano: 2017
Quantidade de páginas: 200

Avaliação (de 0 a 5): 4,0


Um vilarejo que teme uma casa dita mal-assombrada é uma temática óbvia para um escritor de terror. Mas Shirley Jackson escolhe o caminho inverso. Ela decide contar o ponto de vista das pessoas que moram naquela casa e como as coisas chegaram a esse ponto.

Vou logo avisando: Sempre Vivemos no Castelo não é um livro para qualquer leitor. Isso quer dizer que é um terror para dormir com as luzes acesas? Não exatamente. As cenas macabras não pulam aos nossos olhos, mas são construídas de forma sutil e finalmente reveladas de forma despreocupada, deixando o nosso coração (o meu, pelo menos) em choque.