Ligeiramente Pecaminosos

Em meio à Batalha de Waterloo, lorde Alleyne Bedwyn é ferido e dado como morto pela família. Ao acordar, ele se vê no quarto de um bordel sem lembrar quem é ou como foi parar ali. Sua única certeza é que deseja conquistar o coração do anjo que cuida dele todo dia.
Contudo, assim como ele, Rachel York não é quem parece. Depois de enfrentar uma situação difícil, que a levou a viver numa casa de pecados, agora a bela e inteligente jovem precisa recuperar seu dinheiro e as economias das amigas prostitutas, roubados por um falso clérigo. E o belo soldado de quem vem cuidando parece perfeito para se passar por seu marido e ajudá-la em seus planos.
Porém, apesar de ter perdido a memória, Alleyne não perdeu nada de sua sedução. De volta a Londres, os dois se envolvem em um escândalo pecaminoso e, a cada beijo, esquecem que seu relacionamento é apenas uma farsa e ficam mais perto de se entregar à paixão.


Classificação:

O quinto livro da série Bedwyn é uma prova de que a autora Mary Balogh só melhora a cada livro, isso porque numa série extensa onde os personagens são tão complexos, a autora conseguiu criar uma história linda e envolvente abusando de clichês e ainda sim prende o leitor do começo ao fim...

Esse livro se passa ao mesmo tempo que o livro anterior, enquanto Morgan está se apaixonando e todos choram achando que Alleyne morreu em Bruxelas, aqui temos a história de como ele foi salvo da morte certa, sua perda de memória e seu retorno pra casa... o final do livro inclusive coincide com o casamento da Morgan e eu achei simplesmente fantástico...

Por que o revival de Gilmore Girls é confuso


Quando uma das suas séries favoritas ganha episódios além cancelamento, não há como descrever a ansiedade para ver os novos episódios.

Gilmore Girls foi cancelada na sétima temporada e o final nunca havia parecido um final certo, sabe? Isso porque a criadora, Amy Sherman Palladino, foi afastada na época e não ficamos sabendo qual seria o final que ela havia planejado. Com o revival produzido pela Netflix, agora sabemos. E sabe o que eu achei? [ALERTA SPOILERS]


O Primeiro Dia do Resto da Nossa Vida - Kate Eberlen

Sinopse: Tess e Gus foram feitos um para o outro. Só que eles não se encontraram ainda. E pode ser que nunca se encontrem... Tess sonha em ir para a universidade. Gus mal pode esperar para fugir do controle da família e descobrir sozinho o que realmente quer ser. Por um dia, nas férias, os caminhos desses dois jovens de 18 anos se cruzam antes que os dois retornem para casa e vejam que a vida nem sempre acontece como o planejado. Ao longo dos dezesseis anos seguintes, traçando rumos diferentes, cada um vai descobrir os prazeres da juventude, enfrentar problemas familiares e encarar as dificuldades da vida adulta. Separados pela distância e pelo destino, tudo indica que é impossível que um dia eles se conheçam de verdade... ou será que não? “O primeiro dia do resto da nossa vida” narra duas trajetórias que se entrelaçam sem de fato se tocarem, fazendo o leitor se divertir, se emocionar e torcer o tempo todo por um encontro que pode nunca acontecer.

Título: O Primeiro Dia do Resto da Nossa Vida.
Editora: Arqueiro.
Ano: 2016.
Páginas: 432.
Classificação:

Oi gente, tudo bem?
O Primeiro Dia do Resto da Nossa Vida chama atenção logo pelo título, e claro essa capa linda, mas a história vai envolver o leitor de uma maneira surpreendente. 

Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter - Sarah MacLean

Isabel Townsend não é exatamente o que se espera da filha de um conde. Apesar de ter a pele delicada e de saber se portar como uma dama quando necessário, a jovem também monta a cavalo, conserta telhados, administra a propriedade e cria o irmão caçula desde que a mãe faleceu – tudo isso sem despertar a menor suspeita de que não há um homem sequer para cuidar de sua família.
Para o pai dela, que só queria se divertir e gastar dinheiro em jogatinas, pouco importava o que ela fizesse. Porém, quando ele morre, Isabel se vê sem recursos e precisa defender os direitos do irmão, ameaçados pela chegada iminente de um tutor. Assim, não lhe resta saída senão vender sua coleção de estátuas de mármore, o único bem que herdou.
Para sorte sua, um especialista em antiguidades acaba de chegar ao condado. Inteligente e sensual, lorde Nicholas St. John é um solteiro convicto que deixou Londres para se livrar das jovens que passaram a persegui-lo desde que foi eleito um dos melhores partidos da cidade.
Em poucos dias, fica claro para Nick que Isabel é a mulher mais obstinada e misteriosa – além da mais interessante – que já cruzou seu caminho. Ao mesmo tempo, ao conhecê-lo melhor, a independente Isabel percebe que há homens em que vale a pena confiar. Enquanto eles põem de lado suas antigas convicções, seus corações se abrem para dar uma chance ao amor.

Esse é o segundo livro da série Números do Amor e conta a história do Nicholas, gêmeo mais novo do Gabriel St. John e protagonista do livro anterior... como os personagens tem aparências idênticas é quase impossível não comparar os dois irmãos... e na comparação o Nick sai ganhando pois é mais amigável, gentil e aberto que o Gabriel (se bem que na ficção eu tenho um fraco por mocinhos difíceis).

O que são doramas e por que amamos tanto!

Você já deve ter observado que o assunto chegou aqui na blog e virou febre! Eu, a Aline e a Dé estamos completamente viciadas nessas séries orientais e queremos que todo mundo compartilhe isso com a gente.

Mas, afinal, o que são doramas?


Resumindo bem, são séries orientais. A gente é acostumado a acompanhar as séries americanas e britânicas, mas raramente de outros países. Os doramas vieram mostrar o quanto a gente tá perdendo quando esquecemos as produções do outro lado do mundo.

O K-drama Cinderella and four Knights
Dentro da imensa categoria de doramas, temos os K-dramas (dramas coreanos, como Scarlet Heart Ryeo), os J-dramas (dramas japoneses, como Good Morning Call), os TW-dramas (dramas taiwaneses), C-dramas (dramas chineses) e também adaptações de mangá/animes para filmes.

Temos doramas mais dramáticos e outros mais de comédia, porém, sempre vemos o drama ali. Sempre tem cenas de cortar o coração e outras para sorrir de orelha a orelha. E é comum o romance evoluir de forma mais tímida e reservada, seguindo o costume oriental. Mas mesmo não tendo as paixões das novelas brasileiras e mexicanas, os romances dos doramas emocionam justamente pela simplicidade e força das cenas de afeto.

Os primos Kang do Kdrama Cinderella and four knigths

Mas por que amamos TANTO os doramas?

Para me ajudar, eu convoquei a Aline e a Dé. Vamos aos meus motivos: